O provedor (ombudsman, no original) finlandês para a proteção de dados afirmou que vai iniciar uma investigação à Nokia, que é detida pela HMD, depois de a rádio e televisão norueguesa NRK ter noticiado que “vários Nokia 7 Plus” tinham enviado dados para a China, avança a Reuters. A empresa assume que houve uma falha “num lote único dos Nokia 7 Plus”.

Reijo Aarnio, o provedor responsável pela investigação, afirma que vai averiguar se houve ou não alguma divulgação de dados pessoais a empresas terceiras com servidores na China à HMD. Contudo, em comunicado enviado ao Observador, a HMD diz que “nenhuma informação pessoal identificável foi partilhada com empresas terceiras”.

A preocupação com a partilha de dados com a China tem sido espoletada por vários países no ocidente, com as principais suspeitas a recaírem numa das concorrentes da Nokia, a Huawei. Esta última empresa tem negado que faz espionagem para o governo chinês.

O problema foi descoberto porque um utilizador informou a NRK que um smartphone Nokia 7 Plus estava a enviar informações não encriptadas várias vezes para um servidor específico. A HMD diz que este erro foi “identificado e corrigido a fevereiro de 2019”, substituído a informação referente ao destino de envio do país para a correta, que não era a China.

O Nokia 7 Plus foi um dos principais topo de gama da Nokia a ser anunciado em 2018 e chegou a ser escolhido pelo Observador com um dos “smartphones do ano”. O equipamento recebeu elogios por toda a imprensa como “a Nokia está de volta”. A empresa utiliza como slogan do equipamento “um telemóvel em que pode confiar”.