Rádio Observador

Televisão

E se o “Tonight Show” fosse todo gravado com um telemóvel? Pode ver esta noite

O talk show conduzido por Jimmy Fallon sai para a rua na companhia da Samsung, numa operação publicitária que mostrará os preferidos do apresentador em Nova Iorque. Tudo gravado pelo Galaxy S10+.

Jimmy Fallon, apresentador do "Tonight Show" desde 2014

Jesse Grant/Getty Images for NBCUniversal

O episódio desta noite, 25 de março de 2019, do “Tonight Show” foi gravado na íntegra num Galaxy S10+. A Variety avança que Jimmy Fallon usará o telemóvel da Samsung para apresentar um programa especial em que leva convidados e banda residente do programa aos seus locais favoritos de Nova Iorque — cidade de onde o “Tonight Show” é emitido, em estúdio.

O vice-presidente de marketing da Samsung, Patricio Paucar, admitiu à mesma publicação que a estratégia publicitária é “uma oportunidade para ultrapassar o ruído” e levar as pessoas a prestar atenção, quando não veriam um anúncio normal. Ao captar todo o “Tonight Show” num telemóvel a empresa procura mostrar a qualidade da câmara do Galaxy S10+, o telemóvel mais caro do alinhamento da Samsung.

Jimmy Fallon vai jantar com Steve Higgins e os membros dos The Roots no restaurante Rao’s;  entregar almôndegas aos bombeiros de Nova Iorque; visitar o clube de jazz The Django (com os The Roots); cantar com Conor McGregor no New York Irish Pub; entrevistar Michael Che no Comedy Cellar e apresentar um momento de stand up de Rachel Feinstein no mesmo local.

O episódio do “Tonight Show” representa apenas o início de uma colaboração alargada entre a Samsung e o grupo televisivo que transmite o programa, a NBCUniversal. Estão planeados anúncios, integrados ou não na estrutura do programa, em “Today”, “Watch What Happens Live with Andy Cohen” (Bravo), “La Voz” (Telemundo) e “Snapchat Discover Show The Rundown” (E!). Patricio Paucar indicou ainda um possível acordo com a ABC.

A Google usou uma estratégia similar para publicitar um sistema de campainhas inteligentes, o Nest. A gigante tecnológica comprou um intervalo inteiro do “Late Show with Stephen Colbert”, substituindo os anúncios por conteúdo patrocinado pela empresa. Na altura foi a primeira iniciativa do género no talk show da CBS.

Em “Jimmy Kimmel Live”, da ABC, são habituais os conteúdos patrocinados e personalizados para marcas como o Bank of America ou a Smirnoff. No “Saturday Night Live”, da NBC, a Google pagou para que o ator Kyle Mooney cria-se um vídeo exclusivo com o Google Pixel 3.

Jimmy Fallon apresenta o “Tonight Show” desde 2014. Antes, de 2009 a 2014, esteve à frente do “Late Night”, também para a NBC. Foi o regresso à televisão depois de ser presença regular no “Saturday Night Live” entre 1998 e 2004. Antes, o “Tonight Show” foi apresentado por personalidades como Jay Leno, Conan O’Brien e Johnny Carson.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)