Governo

“Endogamia política em Portugal não é nova” e já é notícia em Espanha

5.576

O El País sublinhou as críticas às relações familiares no governo de António Costa e estendeu a análise às caras comuns nos governos de José Sócrates e António Guterres.

JULIEN WARNAND / POOL/EPA

“A endogamia de um país pequeno com uma classe dirigente pequena chegou ao extremo”. O tema está na ordem do dia e já mereceu destaque do outro lado da fronteira. O El País destacou esta segunda-feira, 25 de março de 2019, as acusações feitas ao governo de António Costa “cheio de família” pelas excessivas relações familiares entre membros do Executivo. A mesma publicação considerou que “o problema era comum na política portuguesa, mais do que pelas relações familiares, pela repetição de políticos em cargos de poder.

O jornal espanhol destaca a relação entre Mariana Vieira da Silva (ministra da Presidência e da Modernização Administrativa) e José António Vieira da Silva (ministro do Trabalho) — pai e filha — e entre Eduardo Cabrita (ministro da Administração Interna) e Ana Paula Vitorino (ministra do Mar) — marido e mulher.

O El País destacou as acusações feitas pelos líder do PSD e do Bloco de Esquerda, respetivamente Rui Rio e Catarina Martins, sublinhando ainda as declarações do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que defendeu a habilidade e independência dos membros do governo. Também as acusações do presidente do Partido Socialista, Carlos César, relativas às “relações abundantes” no BE foram noticiadas.

O foco passou depois para a história da política portuguesa: “A endogamia política em Portugal não é nova”. O jornal sublinhou que “hoje sentam-se no Conselho de Ministros responsáveis políticos que já o eram com António Guterres ou com José Sócrates“.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nviegas@observador.pt
Governo

10 medidas de reforma do recrutamento governativo

Fernando Teigão dos Santos

Modernizar o funcionamento governativo passa por reduzir a tamanho dos gabinetes, reformar as suas funções, ter menos parentes, mais quadros competentes e fechar as “portas giratórias” dos ministérios

Maioria de Esquerda

Um país de pantanas /premium

Alexandre Homem Cristo
1.634

Greves, negociações hipócritas e atropelos constitucionais. Eis o fim de ciclo da geringonça – no governo, no parlamento e na presidência. Quem vive de ilusões também morre pelas expectativas que gera

CDS-PP

Reconstrução /premium

Sebastião Bugalho

Hoje, em Portugal, há um Estado que falha a quem deveria servir e que cumpre com quem se serve dele. E é preciso reconstruir esse Estado. Devolver-lhe dignidade, restituir-lhe confiança.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)