Rádio Observador

Madrid

Assaltantes da embaixada norte-coreana em Madrid fugiram para os Estados Unidos através de Lisboa

121

O grupo apanhou um avião em Lisboa para Nova Iorque. Na embaixada, sequestraram os funcionários e roubaram computadores e documentos. Líder do grupo era mexicano e contou ao FBI tudo o que aconteceu.

As dez pessoas que assaltaram a embaixada da Coreia do Norte em Madrid no dia 22 de fevereiro partiram de Lisboa para fugirem para os Estados Unidos

GREG BAKER/AFP/Getty Images

As dez pessoas que assaltaram a embaixada da Coreia do Norte em Madrid no dia 22 de fevereiro passaram por Lisboa para fugirem para os Estados Unidos, avança o El País. Não se sabe, no entanto, como é que este grupo, que já tem sete pessoas identificadas, chegou a Portugal. Os assaltantes apanharam um avião no Aeroporto Humberto Delgado com destino ao aeroporto de Newark, em Nova Iorque, segundo informa o juiz da Audiência Nacional, José de la Mata.

No dia do assalto, os 10 indivíduos, liderados por um cidadão mexicano a viver nos Estados Unidos, Adrian Hong Chang, sequestraram os funcionários norte-coreanos durante quatro horas enquanto reuniam computadores e documentos para roubar. As unidades contraterroristas da polícia receavam que o material servisse para fins militares ou terroristas, particularmente durante a cimeira entre o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, que teve início no dia 27 de fevereiro de 2019, no Vietname.

Segundo o auto do tribunal, depois do assalto, o grupo dividiu-se em quatro grupos e deslocou-se para Lisboa, onde apanhou um avião para os Estados Unidos. Ainda de acordo com o tribunal, os indivíduos identificaram-se como membros de uma associação dos direitos humanos para a libertação da Coreia do Norte.

O documento elaborado pelo tribunal conta ao detalhe como foi tudo preparado para este assalto. Hong Chang começou por comprar algum material de combate numa loja em Madrid, adquirindo quatro facas de combate e seis armas HK. Outros membros do grupo, com idades entre os 20 e os 22 anos, compraram outro tipo de materiais, como tesouras, 33 rolos de fita dupla, fita americana e alicates.

No dia 22 de fevereiro, pelas 16h34, o líder do grupo de assaltantes apareceu no edifício da embaixada norte-coreana e pediu para ver o responsável de negócios, que já conhecia de uma visita anterior em que se tinha feito passar por um empresário. Segundo o juiz, o homem aproveitou uma distração de segurança e conseguiu colocar mais membros do grupo dentro do edifício. Já no interior, “começaram a golpear violentamente quem lá estava até conseguirem imobilizá-los”, refere o juiz, acrescentando que, já depois de conseguirem imobilizar as pessoas que estavam dentro da embaixada, Adrian Hong Chang colocou um pin com a cara de Kim Jong-un na roupa, fingiu-se passar por um alto representante do organismo, abriu a porta às autoridades e assegurou que nada se passava lá dentro.

Entretanto, acrescenta o documento, três dos assaltantes levaram o responsável de negócios para uma das salas e incitaram-no a abandonar a Coreia do Norte. No entanto, este assegurou que não o iria fazer e que não iria trair o seu país, voltando para o local onde toda a gente estava. O grupo manteve-se na embaixada durante várias horas e roubou materiais como pen drives, dois computadores, dois discos rígidos e um telemóvel.

De seguida, roubaram três veículos que pertenciam à embaixada e fugiram do local.Não se sabe, no entanto, se terão vindo de carro para terras portuguesas. Cinco dias depois do assalto, foi o próprio Hong Chang a dar informações ao FBI sobre tudo o que aconteceu, bem como a revelar o material audiovisual que obteve.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)