Rádio Observador

Segurança

Europa acaba com excessos de velocidade. E não só

4.925

A Comissão Europeia vai tornar obrigatórios sistemas de limitação de velocidade automáticos, de monitorização do estado do condutor e de uso do telemóvel, além de registar tudo o que acontece.

São cerca de 30 os sistemas de segurança que a Comissão Europeia quer tornar obrigatórios, já a partir de 2022, em todos os novos automóveis. Muitos deles já estão disponíveis em veículos topo de gama, mas o objectivo é democratizá-los e montá-los mesmo nos modelos mais acessíveis.

Em cima da mesa estão dispositivos que não deverão suscitar qualquer contestação, como o Lane-Keeping Assistance, que mantém o veículo dentro da sua faixa de rodagem, o sistema de ajuda à marcha-atrás com recurso a câmara e sensores (radar) para evitar acidentes por falta de visibilidade, ou um dispositivo que registe tudo o que acontece a bordo e o que é filmado pelas câmaras da frente e traseira, para ser utilizado em caso de acidente. Colocando assim um ponto final às eternas desculpas do tipo “o carro começou a acelerar sozinho”, ou “o sinal de proibido não estava visível”, ou ainda “eu travei mas o carro não obedeceu”.

Mais problemático vai ser a implementação do ISA, ou Intelligent Speed Assistance, que se destina a acabar com os excessos de velocidade, com o veículo a impedir que o condutor abuse. Essencialmente, o ISA e através do GPS, vai ter conhecimento da velocidade máxima em cada país (cidade, estradas e auto-estradas), para depois as câmaras “lerem” os limites de velocidade em cada zona, auto-limitando o automóvel e obrigando ao cumprimento.

Outro dispositivo que promete causar calafrios a alguns condutores é o que avalia o estado do condutor através de câmaras, se revela sinais de sonolência, intoxicação (álcool ou drogas) ou faltas de atenção em relação à estrada, por estar a olhar para o telemóvel, por exemplo. O objectivo, numa primeira fase, é avisar o condutor, mas como ficará tudo gravado, irá causar problemas para o condutor em caso de acidente. E numa fase posterior, a finalidade é impedir que o veículo prossiga viagem se as condições de segurança não estiverem garantidas. Esta solução é similar à que a Volvo apresentou na passada semana e que pensa introduzir em todos os seus veículos em breve.

Antonio Avenoso, director executivo do Conselho Europeu para a Segurança do Transporte Rodoviário, rotula estas medidas como bem-vindas, sendo capazes de salvar 25.000 vidas por ano em 2038, com a comissária europeia da Indústria Elzbieta Bienkowska a esperar que a introdução em massa destes novos dispositivos de segurança não acarrete aumentos nos preços dos automóveis novos.

A ACEA, o lobby dos construtores europeus de automóveis, por um lado aplaudiu o objectivo de salvar vidas, mas por outro chamou a atenção que só investir na tecnologia automóvel pode não ser suficiente. A associação pretende assim obrigar a que também as vias rodoviárias evoluam, bem como o comportamento dos condutores. Contudo, não insistiu no ataque que realizou no passado recente em relação à implementação do ISA.

As propostas da Comissão Europeia vão agora ser votadas no Parlamento Europeu, onde não se esperam dificuldades na respectiva aprovação, ainda que a votação só deva acontecer depois das próximas eleições, agendadas para Maio.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)