O concurso da segunda época de 2018 para a contratação de médicos especialistas no Serviço Nacional de Saúde deixou 45% das vagas por preencher, avança o Jornal de Notícias. O Governo procurava contratar 300 médicos, abrindo vagas extra para permitir que os candidatos concorressem a hospitais na sua zona de preferência.

SNS podia estar a fazer mais 108 mil cirurgias por ano, diz estudo que ficou mais de três anos na gaveta

Apenas 165 lugares foram ocupados, tendo as regiões do Centro (26 médicos), Alentejo (dez médicos) e Algarve (cinco médicos)  tido particulares dificuldades na colocação de médicos. Já no Norte, 70% das vagas abertas (correspondente a 64 médicos) foram preenchidas. É a taxa de retenção mais elevada do país, seguida por Lisboa e Vale do Tejo (60 contratações, que equivalem a 60% dos postos).

São as especialidades de anestesiologia e de pediatria as que têm mais dificuldades em colmatar os lugares em falta. Também há falta de médicos de família: no concurso de dezembro de 2018 só 73 das 113 vagas abertas foram ocupadas.

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, explicou à mesma publicação que “nenhum médico gosta de trabalhar para empresas de prestação de serviços em que a segurança no trabalho é nula“. Ainda assim, a Ministra da Saúde, Marta Temido, garantira em fevereiro de 2019 que no SNS a retenção dos médicos que completam a formação de especialidade é superior a 80%.