Rádio Observador

Ciência

Recuperação do Aquário Vasco da Gama implica investimento de 1,5 milhões de euros

325

As obras de recuperação do Aquário Vasco da Gama, em Algés, vão custar 1,5 milhões de euros. Valor será dividido pela Marinha, responsável pela gestão do espaço, e pela Câmara Municipal de Oeiras.

O Aquário Vasco da Gama foi inaugurado em 1898

MÁRIO CRUZ/LUSA

O projeto de recuperação de parte do Aquário Vasco da Gama, em Algés, no concelho de Oeiras, vai implicar um investimento estimado superior a 1,5 milhões de euros, anunciou esta quinta-feira o presidente da autarquia, durante uma visita ao local. Segundo  Isaltino Morais, o valor deverá ser comparticipado pela autarquia e pela Marinha Portuguesa, a entidade responsável pela gestão do museu.

“Estamos agora a desenvolver projetos de remodelação das instalações, designadamente dos tanques, em que uma parte será comparticipada pela Marinha e outra parte será comparticipada pela câmara municipal. Prevejo um investimento que irá ser superior a 1,5 milhões de euros. Os projetos estão em fase de programa base, irão ser abertos concursos para execução dos projetos”, afirmou Isaltino Morais no final de uma visita guiada ao Aquário Vasco da Gama que contou também com a presença do chefe do Estado-Maior da Armada, António Calado.

O presidente da autarquia, no distrito de Lisboa, acrescentou ainda que o programa “Oeiras Educa”, já a decorrer, envolverá também atividades no Aquário Vasco da Gama. “A ideia é que todas as crianças do concelho possam visitar o Aquário Vasco da Gama. Como temos oportunidade de verificar, quer a parte do aquário, quer a parte do museu são aspetos que de alguma forma representam a história da vida, dos oceanos, a evolução da fauna marinha, peixes, mamíferos, etc. e, portanto, é fundamental do ponto de vista educativo e do despertar do espírito científico nas crianças, abrindo-lhes também horizontes para novas vocações”, disse o autarca.

De acordo com o responsável, os projetos de remodelação dos tanques e respetivas salas deverão “ser feitos rapidamente” para que se possa também recuperar o número de visitantes ao Aquário. Vão também ser criadas mais atrações e o município entende que é necessário divulgar mais este espaço, de diferentes formas, “através de folhetos, catálogos, um livro de prestígio, vamos dar um novo impulso”, indicou o presidente da autarquia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Minas

O lítio. Contra a desinformação marchar, marchar!

Filipe Anacoreta Correia

A extração do lítio não representa um retorno elevado e a acontecer seria o mais grave atentado à riqueza do nosso país: o desenvolvimento sustentável e a preservação do seu património natural.

Universidade de Coimbra

Coimbra: Especulações sobre um bife

Ricardo Pinheiro Alves

Porque é que uma instituição veneranda e centenária, criada em Lisboa em 1290 pelo Rei D. Dinis, abandona o reino do saber para entrar no activismo demagógico em que a ciência dá lugar ao marketing?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)