“A tendência é que os salários continuem a aumentar mais do que a média nacional e a inflação prevista para as outras áreas”, afirma o senior executive manager da Michael Page na edição desta sexta-feira no Jornal Económico. Carlos Andrade diz ainda que a procura de profissionais das áreas de engenharia continua a sentir-se, e que muitas vezes chega a ser ultrapassado pela oferta — o que constitui um fator de pressão no que toca aos salários.

“Segundo os nossos estudos, estimamos uma inflação na ordem de 7 a 8%, em média, para este setor”. Esta tendência no crescimento dos salários nas profissões de engenharia começou há dois, três anos, e parece que vai continuar. Ainda assim, também está a ocorrer a passagem da engenharia para a gestão, que acaba por ser “uma prática comum”, admite Carlos Andrade.

“A verdade é que a maior parte dos engenheiros, ao fim de quatro ou cinco anos de experiência profissional, já procura tarefas de gestão. Os engenheiros veem isso como uma progressão natural da carreira, a evolução para tarefas de gestão”, justifica o responsável da Michael Page. Esta evolução acaba por ser “uma das grandes dificuldades das empresas”, uma vez que “grande parte dos seus engenheiros querem deixar de efetuar funções técnicas e passar para funções de gestão”.

Carlos Andrade explica ainda que para o bom momento salarial das engenharias contribui o reforço da capacidade produtiva de várias multinacionais, bem como o lançamento de projetos e empresas de âmbito industrial, e uma nova vaga de centros de investigação e desenvolvimento, centros tecnológicos e de competência.