Huawei

Vendas da Huawei ultrapassam 90 mil milhões de euros em 2018 apesar de pressão dos EUA

As vendas da Huawei Technologies registaram uma subida homóloga de 19,5%, para cerca de 94,8 mil milhões de euros. Já os lucros da empresa 25,1%, em 2018, em relação ao ano anterior.

No entanto, as vendas para operadoras de telecomunicações e Internet fixaram-se no mesmo valor do ano passado, num aparente efeito da ofensiva norte-americana

ALEKSANDAR PLAVEVSKI/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Huawei anunciou esta sexta-feira que as vendas em 2018 ultrapassaram os 90 mil milhões de euros, apesar da ofensiva de Washington para boicotar a tecnologia de quinta geração (5G) da gigante chinesa das telecomunicações.

As vendas da Huawei Technologies registaram uma subida homóloga de 19,5%, para 721,2 mil milhões de yuan (94,8 mil milhões de euros), impulsionadas por ganhos de dois dígitos nas unidades para consumidores e corporações.

No entanto, as vendas para operadoras de telecomunicações e Internet fixaram-se no mesmo valor do ano passado, em 294 mil milhões de yuans (55,4 mil milhões de euros), num aparente efeito da ofensiva norte-americana.

Os Estados Unidos acusaram a maior fabricante mundial de equipamentos de transmissão para firmas de telecomunicação e Internet de fornecerem informações aos serviços secretos chineses. Washington, que proibiu já a Huawei de participar na implantação da rede 5G em solo norte-americano, está também a pressionar os aliados a tomarem medidas semelhantes.

Austrália, Nova Zelândia e Japão aderiram já aos apelos de Washington e restringiram a participação da Huawei.

No início deste mês, Portugal foi alvo de uma advertência idêntica, devido a um acordo assinado entre a Altice e a Huawei, para o desenvolvimento de tecnologia 5G.

As redes sem fio 5G destinam-se a conectar carros autónomos, fábricas automatizadas, equipamento médico e centrais elétricas, pelo que vários governos passaram a olhar para as redes de telecomunicações como ativos estratégicos para a segurança nacional.

O lucro da Huawei subiu 25,1%, em 2018, em relação ao ano anterior, para o equivalente a 7,8 mil milhões de euros.

A empresa indicou ainda ter investido, em 2018, 14,1% das receitas com vendas em pesquisa e desenvolvimento, o equivalente a 101,5 mil milhões de yuan (13,3 mil milhões de euros).

Em conferência de imprensa, o presidente rotativo da Huawei, Guo Ping, afirmou que o grupo “está empenhado em construir as melhores conexões de rede 5G do mundo” e vai cumprir “estritamente todos os padrões relevantes para fabricar produtos seguros, confiáveis e de alta qualidade”.

“A cibersegurança e a proteção da privacidade dos usuários estão no topo da nossa agenda”, acrescentou.

Guo insistiu que as empresas que optarem por trabalhar com a Huawei vão ser “as mais competitivas na era do 5G” e os países que o fizerem vão ganhar vantagem “na próxima onda de crescimento da economia digital”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)