Rádio Observador

Presidente da República

Marcelo propõe lei mais restritiva para Belém: proibidas nomeações de familiares até 6º grau

2.159

Presidente escreveu um "projeto diploma" que entregou esta tarde a António Costa e que cria impedimentos para familiares em Belém. Como não tem poderes para aprovar, vai enviá-lo para o Governo.

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

O Presidente da República não legisla, mas Marcelo Rebelo de Sousa decidiu elaborar uma lei — para que outros órgãos de soberania aprovem — que propõe impedimentos na nomeação de familiares na Presidência da República. O projeto de Marcelo Rebelo de Sousa, sabe o Observador, vai ser mais restritivo do que aquele que está a ser proposto pela bancada do PS para os gabinetes do governo. Marcelo Rebelo de Sousa quer que o Presidente da República fique impedido de nomear o seu cônjuge ou equiparado bem como qualquer parente até ao 6º grau colateral (o que inclui primos segundos, primos-tios-avós, primos-sobrinhos-netos, tios-trisavós, sobrinhos-trinetos, pentavós e pentanetos).

O projeto do PS, por exemplo, vai apenas até ao 4º grau (filhos dos primos). Inicialmente, sabe o Observador, o Presidente até queria proibir os familiares sem especificar grau, mas percebeu que isso seria inviável do ponto de vista legal e optou por um grau que abrange familiares muito afastados. No caso da proposta do Presidente, o impedimento aplica-se em nomeações para a Casa Civil, Casa Militar, gabinete, serviço de segurança, centro de comunicações e serviço de apoio médico.

À chegada à Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, onde participou na sessão solene do Congresso Internacional da Deficiência Visual “Sociedade Inclusiva + Participação Responsável = Cidadania Plena”, e antes da tomada de posse do novo secretário de Estado — que chega ao Governo como consequência do familygate –, Marcelo adiantou que tem “praticamente pronto já o projeto de diploma” sobre “um regime de impedimentos na Presidência da República”, mas que “tem de ser submetido ao Governo porque o Presidente não tem poderes legislativos”.

A ideia de Marcelo Rebelo de Sousa é evitar em Belém casos como o de Margarida Mealha, cunhada de Cavaco Silva, que foi nomeada diretamente pelo ex-Presidente da República ou de Alfredo Barroso, que foi presidente da Casa Civil do próprio tio, Mário Soares, em Belém.

Já “quanto a outros órgãos” que não a Presidência da República, Marcelo diz que vai “esperar para ver os diplomas que venham a ser apresentados e aprovados”. No entanto diz, desde já que considera que “se for aproveitado o momento para avançar com aditamentos legislativas relativamente pequenos, curtos, mas muito importantes, isso é bom para a democracia portuguesa”.

Sobre o facto do PSD de Rui Rio contrariar a necessidade de que é necessário legislar, Marcelo chama si os louros de impor a alterações à lei nesta matéria. “Aquilo que me dizem é que há iniciativas que estão a ser ponderadas para apreciação do Governo e do Parlamento. E, se for assim, é bom. A minha função foi chamar a atenção para a importância da matéria“, refere o chefe de Estado.

Marcelo lembrou depois que “na Administração Pública, durante muito tempo dizia-se que basta apenas a ética e depois chegou-se à conclusão que não bastava a ética”. E hoje há lei e ganhou-se com a lei“. O Presidente quer que esse seja o caminho nos gabinetes do Governo: “O que eu espero é que, quando os deputados governo e partidos entenderem, mais cedo ou mais tarde se chegue à mesma conclusão quanto aos gabinetes que apoiam titulares de cargos políticos.”

No própria interpretação que é feita da Constituição no site da Presidência da República, é descrito na parte referente aos poderes presidenciais o seguinte: “Uma das competências mais importantes do Presidente da República no dia-a-dia da vida do País é o da fiscalização política da atividade legislativa dos outros órgãos de soberania. Ao Presidente não compete, é certo, legislar, mas compete-lhe sim promulgar (isto é, assinar), e assim mandar publicar, as leis da Assembleia da República e os Decretos-Leis ou Decretos Regulamentares do Governo”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)