Rádio Observador

Ucrânia

Presidente ucraniano debate sozinho na televisão depois de adversário faltar ao frente-a-frente

103

Petro Poroshenko respondeu ao desafio do adversário comediante para participar num debate no estádio olímpico, submetendo-se primeiro a análises ao sangue. Mas Volodymyr Zelenskiy não apareceu.

Petro Poroshenko entrou no debate no estádio olímpico, com capacidade para 70 mil pessoas

AFP/Getty Images

O Presidente ucraniano Petro Poroshenko, candidato à reeleição na segunda volta das presidenciais de 21 de abril, esteve este domingo no estádio olímpico de Kiev para um debate com o adversário, o comediante Volodymyr Zelenskiy, mas este não compareceu. Tendo em conta a ausência do oponente, Poroshenko aproveitou para ficar quase uma hora no palco a responder às perguntas dos jornalistas e mandou abrir as portas aos seus apoiantes no final, tornando o debate numa espécie de comício.

A ausência de Zelenskiy deve-se ao facto de o comediante, que desafiou o atual Presidente para um debate no estádio olímpico, tenha preferido a data de 19 de abril, enquanto Poroshenko optou pelo 14 de abril. Sem entendimento, Poroshenko reservou à mesma o estádio de 70 mil lugares e mandou montar dois pódios para o debate. De acordo com a BBC, o candidato esteve 45 minutos em cima do palco à “espera” de Zelenskiy, aproveitando para responder a perguntas e para atacar o adversário. “Se ele se esconder das pessoas de novo, voltaremos a convidá-lo”, garantiu Poroshenko à chegada.

“Não fui eu que propus este local para o evento, foi um tal homem”, afirmou o Presidente num dos pódios, com outro vazio ao lado, segundo conta a Radio Free Europe (RFE). “Sei que estás a assistir”, acrescentou, dirigindo-se diretamente ao comediante.

Do lado de fora estariam cerca de duas mil pessoas a ouvir Poroshenko, que foram autorizadas a entrar no final. De acordo com a mesma rádio, a decisão transformou o “debate” numa espécie de comício, com os participantes a cantarem o hino nacional, a gritarem “Glória à Ucrânia” e a tirarem selfies com o Presidente. O seu porta-voz, Svuatoslav Tseholko, garantiu à RFE que a decisão de deixar entrar os apoiantes terá sido tomada de improviso pelo próprio Poroshenko.

Um debate precedido de análises ao sangue para provar que os candidatos não são “viciados”

A ideia de um debate no estádio olímpico partiu, de facto, do comediante Zelenskiy, que na quarta-feira passada divulgou um vídeo a entrar no estádio e a desafiar diretamente o Presidente para um debate ali. “Achava que eu ia fugir… Não. Não vou fazer o mesmo que o senhor fez há quatro anos”, afirmou o candidato, referindo-se à campanha de 2014 em que Poroshenko recusou debater com a adversária e veterana da política ucraniana Yulia Tymoshenko.

Mas as condições de Zelenskiy não se ficaram apenas pelo local inusitado para o debate. O comediante exigiu ainda que os dois fossem submetidos a análises sanguíneas antes do debate para provar que não são “viciados em drogas ou álcool”.

Poroshenko reagiu no dia seguinte, com outro vídeo: “Isto não é uma piada”, declarou o Presidente. “Mas se quer um estádio, que seja num estádio. Estarei à sua espera.” Os dois fizeram as respetivas análises na sexta-feira, em locais diferentes, depois de o comediante não ter aceitado fazer os exames no mesmo local que Poroshenko. Ambos foram filmados pelas televisões a tirar sangue, como conta a CNN.

Talvez por não estar à espera que Poroshenko, de 53 anos, aceitasse o convite, Zelenskiy acabou por contestar a data e não aparecer este domingo. Contudo, não é de excluir a possibilidade que no dia que prefere, 19 de abril, possa haver outro debate no estádio olímpico que volte a ter apenas um participante.

O comediante, que venceu a primeira volta das eleições com 30% dos votos (mais 14% do que Poroshenko), continua à frente nas sondagens. Zelenskiy tornou-se conhecido do grande público ucraniano pelo seu papel na série “Servos do Povo”, onde interpreta um professor de escola que se torna Presidente da Ucrânia quase por acidente. Agora, arrisca a sua sorte na vida real, podendo mesmo chegar ao poder no país que ainda vive uma guerra com milícias pró-russas no leste, sem participar em nenhum debate eleitoral com o adversário.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt
Rússia

A síndrome de Istambul chegou a Moscovo /premium

José Milhazes

O Kremlin teria um sério teste à sua popularidade se permitisse a realização de eleições municipais em Moscovo e do governador de São Petersburgo limpas e transparentes. Mas isso não deverá acontecer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)