Investimento

Portuguesa Sword Health capta investimento de 7 milhões de euros para expandir para os EUA

231

Investimento conseguido pela startup portuguesa que criou o primeiro terapeuta digital vai servir para expansão nos Estados Unidos e desenvolver a engenharia do produto.

A Sword Health desenvolveu o terapeuta digital de Inteligência Artificial, uma aplicação que permite aos pacientes fazerem fisioterapia em casa

A Sword Health, uma startup portuguesa que criou o primeiro sistema de fisioterapia digital através de Inteligência Artificial, fechou uma ronda de investimento série A no valor de cerca de sete milhões de euros (oito milhões de dólares). O investimento foi liderado pela sociedade de capital de risco Khosla Ventures e contou também com o apoio de outros business angels (investidores privados) e atuais investidores da empresa.

Em comunicado, a startup indica que esta ronda de investimento vai permitir reforçar a expansão para mercados internacionais, neste caso para os Estados Unidos. A Sword Health desenvolveu o terapeuta digital de Inteligência Artificial, uma aplicação que permite aos pacientes fazerem fisioterapia em casa, acompanhados em tempo real e de forma remota por uma equipa médica composta por fisioterapeutas e médicos, que prescrevem, avaliam e supervisionam todo o processo.

Com este investimento de sete milhões de euros, a startup também pretende conseguir “desenvolver as capacidades de engenharia do produto e investir na validação clínica“. Segundo a empresa portuguesa, a abordagem que tem vindo a levar a cabo “permite reduzir a dor e incapacidade associadas às patologias musculoesqueléticas, que afetam uma em cada três pessoas do mundo e mais de metade da população americana”. Estas doenças, por ano, obrigam a um custo de cerca de 190 mil milhões de dólares só no mercado dos Estados Unidos.

Já provámos que conseguimos tornar possível o impossível ao desenvolver uma nova tecnologia totalmente impensável. Com esta ronda queremos passar do possível para o inevitável. As doenças musculosqueléticas estão a provocar e a aumentar o absentismo laboral, a promover o consumo de opioides e a abrir caminho para cirurgias evitáveis. Estamos a construir os próximos 50 anos da fisioterapia mundial e a redefinir os cuidados de saúde para estas patologias”, referiu Virgílio Bento, fundador e presidente da Sword Health, citado em comunicado.

Segundo o fundador da Khosla Ventures, “os cuidados com as Doenças Musculoesqueléticos praticamente não evoluíram nos últimos 50 anos e, no entanto, esta é uma das áreas mais dispendiosas da saúde”. Vinod Khosla acredita que “a Sword pode inovar e causar disrupção na fisioterapia com a sua abordagem tecnológica que permite uma prestação exponencialmente mais eficaz de cuidados de saúde”.

Já em abril, a startup portuguesa tinha fechado uma ronda de investimento seed de 4,6 milhões de dólares (cerca de 4,07 milhões de euros). A Sword Health foi fundada em 2015 por Virgílio bento, quando depois do acidente de viação do seu irmão percebeu que existia uma lacuna entre a procura por fisioterapia e a capacidade de a realizar. Ao todo, a empresa já recebeu um financiamento de 15 milhões de dólares (cerca de 13,27 milhões de euros).

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt
Caixa Geral de Depósitos

E Berardo deixou-os nús /premium

Helena Matos
1.235

A fúria dos seus parceiros nasce não do que Berardo fez mas sim daquilo que expôs sobre eles e como exercem o poder. Do BCP ao CCB, Berardo, o capitalista de Estado, é a outra face do socialismo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)