Rádio Observador

IMI

Cuidado, pode estar a pagar IMI a mais, alerta a DECO

A DECO alerta os proprietários que podem "estar a pagar IMI a mais". As finanças não utilizam um processo de atualização automática e têm que ser os contribuintes a apresentarem o pedido.

A DECO afirmou que "cerca de quatro milhões de imóveis podem estar a pagar imposto a mais"

Mario Cruz/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A DECO – Associação para a Defesa do Consumidor alertou esta quarta-feira os proprietários de imóveis para o facto de poderem “estar a pagar IMI a mais”, revelando que as simulações de cálculo apontam para “uma poupança média de 75 euros por ano”.

Apesar do valor de construção dos imóveis ter subido, em 01 de janeiro deste ano, de 603 para 615 euros por metro quadrado, “alguns imóveis continuam a pagar imposto a mais, porque as Finanças não atualizam automaticamente a idade das casas, nem o seu coeficiente de localização, que muda a cada três anos”, avançou a DECO.

“Todos estes fatores influenciam o cálculo do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), mas o Estado limita-se a aumentar o valor das casas de acordo com a inflação”, reforçou a associação para a defesa do consumidor.

Em causa está a reavaliação das casas, designadamente o valor patrimonial tributário (VPT), que, por não ser um processo de atualização automática, têm que ser os proprietários a apresentarem um pedido nesse sentido, até 31 de dezembro, de forma gratuita, com o objetivo de pagarem menos IMI no ano seguinte.

“A revisão de todas as parcelas só é feita quando a casa muda de dono (por aquisição ou herança) ou quando o proprietário entrega nas Finanças um pedido de atualização do valor da casa”, frisou a DECO, aconselhando os consumidores a uma simulação personalizada, através da página de internet www.paguemenosimi.pt, onde é possível “confirmar se vale a pena pedir às Finanças a atualização dos dados do imóvel para efeitos de cálculo do imposto”.

Além de dar uma resposta personalizada, o simulador da associação para a defesa do consumidor disponibiliza “um sistema de alerta, que avisa o contribuinte de que já está na altura de repetir a simulação e, porventura, começar a poupar no IMI”.

De acordo com especialista em fiscalidade da DECO Ernesto Pinto, nas simulações realizadas pelos consumidores desde o início deste ano, após a atualização do valor de construção, registou-se “uma poupança média de 75 euros por ano”.

Assim, caso o simulador confirme que há poupança, os consumidores devem pedir nas Finanças a atualização dos dados do imóvel para efeitos de IMI, “preenchendo o modelo 1 do IMI e submetê-lo no Portal das Finanças ou apresentar o pedido pessoalmente no serviço de Finanças”, informou a associação, recomendando a apresentação pessoal do pedido, já que alguns dados requeridos não são do conhecimento do proprietário e será mais fácil obtê-los na própria repartição das Finanças.

Segundo informação da DECO, “alguns contribuintes podem poupar já no IMI do próximo ano, outros poderão ter de esperar um pouco mais, caso a última revisão dos dados do imóvel tenha sido feita pelas Finanças há menos de três anos”.

Uma vez que, por esta altura, os contribuintes começam a receber as notificações para pagamento deste imposto, Ernesto Pinto lembrou que a conta do IMI é paga numa única prestação, se o valor for inferior a 100 euros.

“Pode pagar em duas prestações, em maio e novembro, se o valor for entre os 100 e os 500 euros, e pode pagar em três prestações, maio, agosto e novembro, se o valor ultrapassar os 500 euros”, acrescentou o especialista em fiscalidade da DECO.

Em dezembro de 2018, dias antes do fim do prazo para os proprietários pedirem a reavaliação das casas, a DECO afirmou que “cerca de quatro milhões de imóveis podem estar a pagar imposto a mais”, devido à falta de atualização automática do valor patrimonial tributário (VPT).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)