Ténis

Tenista espanhol Nadal nas meias-finais de Monte Carlo, ao superar Pella

O tenista espanhol Rafael Nadal qualificou-se para as meias-finais do torneio Masters 1.000 de Monte Carlo, em terra batida, ao bater o argentino Guido Pella.

O tenista ficou a dois triunfos do 12.º título na prova

SEBASTIEN NOGIER/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O tenista espanhol Rafael Nadal qualificou-se esta sexta-feira para as meias-finais do torneio Masters 1.000 de Monte Carlo, em terra batida, ao bater o argentino Guido Pella, ficando a dois triunfos do 12.º título na prova.

O número 2 mundial, que ganhou o torneio do principado de 2005 a 2012 e nos últimos três anos, superou o 35.º da tabela em dois ‘sets’, pelos parciais de 7-6 (7-1) e 6-3, num embate que se prolongou por duas horas e 20 minutos.

Nadal, que somou a vitória 71 em Monte Carlo, teve grandes dificuldades no primeiro ‘set’, em que esteve a perder por 4-1 e – depois de virar para 5-4 — por 6-5, com o argentino a chegar a estar a dois pontos de ganhar por 7-5, no seu serviço.

O espanhol conseguiu, porém, levar o jogo para o ‘tie break’, que dominou por completo, tal como o segundo parcial, o qual comandou por 5-1.

Nas meias-finais, Nadal vai enfrentar o vencedor do embate entre o croata Borna Coric, 13.º jogador mundial, e o italiano Fábio Fognini, 18.º.

Na corrida à final, estão também o russo Daniiel Medvedev, 14.º da tabela ATP, e o sérvio Dusan Lajovic, 48.º, que se defrontam na outra meia-final.

Nos ‘quartos’, Medvedev superou o sérvio Novak Djokovic, líder do ‘ranking’ mundial, por 6-3, 4-6 e 6-2, enquanto Lajovic bateu o italiano Lorenzo Sonego, 96.º, por 6-4 e 7-5.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)