Rádio Observador

Tech Auto

Será que a bateria sólida se vai estrear na Lua?

É curioso que as duas soluções que podem viabilizar os carros eléctricos estão associadas à Lua. As "fuel cells" serviram os astronautas em 1969 e as baterias sólidas vão fazer o mesmo em 2021.

As fuel cells, ou células de combustível a hidrogénio, que a Toyota domina melhor do que ninguém, gerando energia eléctrica pela associação de hidrogénio e oxigénio, são uma das soluções com maior potencial para viabilizar os automóveis eléctricos. Ainda são caras e grandes, mas a nova geração, que o construtor japonês vai apresentar ainda este ano, vai melhorar consideravelmente estes dois aspectos.

Apesar de estarmos a falar do futuro dos veículos eléctricos, trata-se de uma tecnologia que foi descoberta em 1838. Contudo, a sua primeira aplicação prática fica a dever-se à NASA, que decidiu em 1960 ser esta a melhor solução para fornecer energia aos astronautas do seu programa espacial, que os levou à Lua em 1969. Além de gerar energia, garantia aos seres humanos igualmente água e aquecimento, fundamental quando a temperatura lá fora oscilava entre -130ºC durante o dia e -170ºC à noite.

Para a NASA, cada fuel cell podia custar milhões, mas para que a Toyota as possa instalar no interior dos Mirai, e ainda assim realizar algum lucro, é necessário produzir as células de combustível em maior quantidade e menor preço, o que não se tem revelado uma tarefa fácil.

Uma situação similar poderá acontecer com as baterias sólidas, aquelas em que em vez de termos um líquido (o electrólito) a banhar os eléctrodos (tanto o ânodo como o cátodo), há um sólido a realizar esse serviço. O pai das baterias de iões de lítio, que hoje todos utilizam, John Goodenough, trabalha com a investigadora portuguesa Helena Braga numa solução em que o electrólito é um tipo de vidro. Isto permite incrementar a densidade energética, aumentar a segurança, a longevidade e a capacidade de resistir ao aquecimento em carga e em descarga, além de reduzir dramaticamente os custos, a dimensão e peso.

Se todos os fabricantes de baterias estão a tentar desenvolver baterias sólidas, é bem possível que seja mais uma vez a Lua a experimentá-las pela primeira vez. Para a expedição lunar de 2021, a Hakuto-R, descrita como a primeira exploração privada do satélite natural da Terra, a NGK está a desenvolver baterias sólidas e faz questão de as utilizar na viagem. O mais curioso é que a NGK é muito conhecida no mundo automóvel, mas apenas como fabricante das velas de ignição utilizadas pelos motores a gasolina.

Há vários desafios em cima da mesa – a começar por ser uma tecnologia que a NGK não domina –, mas todos parecem estar tranquilos com a situação. A prova está no facto de a NGK e dos responsáveis pela Hakuto-R terem anunciado que vão colocar à prova, ainda que em regime experimental, as baterias sólidas, sob condições que são tudo menos favoráveis para os acumuladores. O que não deixa de constituir uma excelente operação publicitária. Ao que parece, a NGK está a trabalhar num electrólito cerâmico com base num óxido, provavelmente de zircónio.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)