Rádio Observador

Huawei

Receitas da Huawei crescem 39% apesar de ofensiva de Washington

Apesar dos apelos de Washington para a restrição da participação da empresa, a Huawei registou um aumento homólogo das receitas de 39% e revelou um aumento de 8% face ao mesmo período do ano passado.

Fundada por um antigo engenheiro das Forças Armadas chinesas, em 1987, a Huawei é uma empresa privada, mas divulga os resultados visando acalmar preocupações com a segurança

AFP/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

A gigante chinesa das telecomunicações Huawei anunciou esta segunda-feira um aumento homólogo das receitas de 39%, no primeiro trimestre do ano, apesar da pressão de Washington para conter a empresa, por alegados riscos para a segurança.

Num comunicado divulgado na sua página oficial, a maior fabricante mundial de equipamentos de rede revela ter faturado 179,7 mil milhões de yuan (23,8 mil milhões de euros), entre janeiro e março.

No mesmo período, a empresa vendeu 59 milhões de ‘smartphones’. Caso mantenha esta tendência no conjunto do ano, a Huawei aumentará as suas vendas em 30 milhões de aparelhos.

Estes resultados acontecem apesar de os Estados Unidos estarem a pressionar vários países, incluindo Portugal, a excluírem a Huawei na construção de infraestruturas para redes de quinta geração (5G), a Internet do futuro, acusando a empresa de estar sujeita a cooperar com os serviços de informação chineses.

Austrália, Nova Zelândia e Japão aderiram já aos apelos de Washington e restringiram a participação da Huawei.

Sem referir as acusações, a empresa assegura em comunicado que o aumento das receitas até março se deve a ter “mantido o foco nas infraestruturas para tecnologia de informação e comunicação e em dispositivos inteligentes”.

Na semana passada, a empresa revelou ter garantido já 40 contratos com operadoras em todo o mundo, para desenvolver redes 5G, mais de metade na Europa.

Fundada por um antigo engenheiro das Forças Armadas chinesas, em 1987, a Huawei é uma empresa privada, mas divulga os resultados visando acalmar preocupações com a segurança.

A empresa não detalhou a margem de lucro alcançada no último trimestre, mas revelou um aumento de 8%, face ao mesmo período do ano passado.

Com base nos resultados do ano anterior, os lucros serão de 14,4 mil milhões de yuan (1,8 mil milhões de euros).

No ano passado, as vendas da empresa registaram uma subida homóloga de 19,5%, para 721,2 mil milhões de yuan (94,8 mil milhões de euros), impulsionadas por ganhos de dois dígitos nas unidades para consumidores e corporações.

No entanto, as vendas para operadoras de telecomunicações e Internet fixaram-se no mesmo valor do ano anterior, em 294 mil milhões de yuans (55,4 mil milhões de euros).

Na semana passada, Ken Hu, presidente executivo (CEO) da Huawei, previu um crescimento de “pelo menos 10%” nas vendas para operadoras de telecomunicações e Internet, em 2020, à medida que as redes de 5G ganham ímpeto.

O responsável revelou que a empresa vendeu já 45.000 estações base para o 5G e que espera que 6,5 milhões de estações tenham sido implantadas em todo o mundo, até 2025, abrangendo 2.800 milhões de pessoas.

As redes sem fio 5G destinam-se a conectar carros autónomos, fábricas automatizadas, equipamento médico e centrais elétricas.

O 5G não é apenas mais rápido do que o 4G: é uma revolução na conectividade, que tornará tudo possível ‘online’, em qualquer altura, proporcionando uma conectividade verdadeiramente omnipresente”, afirmou Ken Hu.

Em dezembro do ano passado, durante a visita a Lisboa do Presidente chinês, Xi Jinping, foi assinado entre a Altice e a empresa chinesa um acordo para o desenvolvimento da próxima geração da rede móvel no mercado português.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)