Telecomunicações

Huawei “agradada” com notícias que indicam que Londres permitirá participação no 5G

É a reação às notícias que dão a decisão como certa, apesar da pressão exercida pelos Estados Unidos para conter a empresa, por alegados riscos para a segurança.

WU HONG/EPA

A gigante chinesa das telecomunicações Huawei afirmou esta quinta-feira ter recebido com “agrado” as notícias de que o Reino Unido vai permitir à empresa participar na construção de redes de Quinta Geração (5G).

A alegada decisão de Londres sucede apesar da pressão exercida pelos Estados Unidos para conter a empresa, por alegados riscos para a segurança.

Estamos satisfeitos com o facto de o Reino Unido manter uma abordagem baseada em factos e reforçamos o nosso compromisso de continuar a trabalhar em cooperação com o Governo e com a indústria”, afirmou a empresa, num comunicado enviado à agência Lusa.

Segundo o jornal Daily Telegraph do Reino Unido, a primeira-ministra britânica, Theresa May, aprovou, na quarta-feira, que a fabricante chinesa participe no desenvolvimento da rede 5G.

Londres deve excluir a empresa da construção da estrutura central, limitando-a a infraestruturas menos sensíveis, incluindo as antenas, detalha o mesmo jornal.

O Governo britânico recusou, no entanto, confirmar aquela informação.

A decisão foi tomada durante uma reunião do Conselho de Segurança Nacional (NSC), na terça-feira, que incluiu ministros e altos funcionários de Segurança, e foi presidida por Theresa May.

A decisão surgiu apesar da oposição de vários membros do governo, incluindo o ministro do Interior, Sajid Javid, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Jeremy Hunt, da Defesa, Gavin Williamson, e do Comércio Externo, Liam Fox, segundo o Daily Telegraph.

O ministério da Indústria Digital lembrou, contudo, que está a ser elaborado um estudo do governo e que as conclusões devem ser publicadas “oportunamente”.

Os Estados Unidos têm vindo a pressionar vários países, incluindo Portugal, a excluírem a Huawei na construção de infraestruturas para redes 5G, a Internet do futuro, acusando a empresa de estar sujeita a cooperar com os serviços de informação chineses.

Austrália, Nova Zelândia e Japão aderiram já aos apelos de Washington e restringiram a participação da Huawei.

Várias autoridades e políticos britânicos apontaram os riscos associados à Huawei.

Em dezembro passado, o ministro da Defesa, Gavin Williamson, expressou “profunda preocupação” pela participação chinesa no 5G do país.

Mas o serviço de inteligência britânico para a segurança cibernética (NCSC) estimou recentemente que os riscos representados pela Huawei são “gerenciáveis”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)