Várias escolas estão com dificuldades em conseguir ter todo o material escolar exigido para a realização das provas de aferição de Expressões Artísticas e de Expressões Físico-Motoras, que arrancam esta quinta-feira. Segundo o Diário de Notícias, algum do equipamento desportivo que o Instituto de Avaliação Educativa (IAVE) pede para a realização das provas está a dificultar a vida das escolas, especialmente o equipamento de patinagem, uma atividade que em vários estabelecimentos de ensino nem sequer é praticada.

Ao todo, são 14 itens que o IAVE apresenta como necessários para a realização das provas de Expressão Físico-Motoras, desde plintos de ginástica aos planos inclinados de espuma, passando por raquetes de praia, bancos suecos, quatro colchões de ginástica e espaldares. Já nas provas do 5.º ano, que arrancam a 20 de maio, a lista inclui 17 itens, incluindo patins de quatro rodas ou patins em linha e capacetes. Segundo os diretores das escolas e professores de Educação Física, o problema reside no facto de os alunos não praticarem patinagem na escola e, por isso, o material não está disponível.

Os critérios incluem a patinagem, quando a maioria das escolas se foca em desportos mais tradicionais, não só por hábito mas também porque o acesso a materiais é mais fácil. Na minha escola [em Elvas] não temos patins nem espaldares”, referiu ao DN Alexandre Henriques, professor de Educação Física.

“Há que tentar compatibilizar o programa com a realidade das escolas”, sublinhou também Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), acrescentando que os requisitos para estas provas acabam por “ajudar a expor a escassez de material que afeta as escolas”. Este ano, as provas de aferição vão ser feitas por cerca de 300 mil alunos.

Para ajudar a resolver este problema, o Ministério da Educação sublinhou o papel “inestimável” das autarquias, argumentando também que “o material necessário à realização das provas é o necessário ao cumprimento do currículo ao longo do ano, não exclusivamente pedido para a realização das provas”. Já para Manuel António Pereira, da Associação de Dirigentes Escolares, não é só equipamento desportivo que está em falta: uma boa parte da lista de material exigido na altura das provas (como simples lápis e borrachas) vai faltando ao longo do ano.