Rádio Observador

Praia

Nadadores-salvadores.Transferência na gestão de praias para autarquias não é clara

O Governo publicou um diploma onde atribui às autarquias a responsabilidade de vigiar as praias. A Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores diz que a lei não é explícita.

A Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores alerta ainda para o decréscimo em 20% do número de nadadores-salvadores, em relação a 2018

STR/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores (Fepons), Alexandre Tadeia, considera que a transferência de competências de assistência a banhistas para os municípios não é clara, realçando que a medida ainda não foi adotada.

“Não é bastante claro se as autarquias vão assumir ou não essa assistência a banhistas. E não se sabe se efetivamente vamos deixar de ter os concessionários a ter a obrigação de contratar os nadadores-salvadores ou não”, disse Alexandre Tadeia, referindo-se ao diploma do processo de descentralização de competências do Estado para as autarquias relativo à gestão de praias.

A partir deste ano, os municípios podem passar a deter novas competências nas praias identificadas como águas balneares, de limpeza e recolha de resíduos urbanos, manutenção e gestão de saneamento básico, energia e comunicações de emergência, de equipamentos e apoios de praia, incluindo estacionamento e acessos. As autarquias são também responsáveis pela assistência a banhistas, garantindo a presença dos nadadores-salvadores e os equipamentos e sinalética de acordo com as normas determinadas pela Autoridade Marítima Nacional.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Fepons defendeu, como noutros anos, que deve ser o Estado a assegurar a gestão das praias marítimas, fluviais e lacustres, e afirmou que os concessionários de praia devem deixar de poder contratar nadadores-salvadores. “Deve ser o Estado efetivamente a assegurar a assistência a banhistas, via autarquias. Seria a melhor opção — contratar nadadores-salvadores diretamente ou através de uma associação de nadadores-salvadores licenciada pelo Instituto de Socorros a Náufragos (ISN)”, indicou. Para Alexandre Tadeia, é fundamental deixar de haver “promiscuidade entre um setor económico e um setor humanitário”, que não devem ser misturados.

Se os municípios assumirem diretamente a assistência a banhistas, sublinhou, a vigilância nas praias poderá estender-se a todo o ano. “Se for a autarquia a assumir a assistência a banhistas, podemos deixar de ter vigilância apenas durante o verão. Podemos ter durante todo o ano com outra configuração. Podemos ter uma assistência a banhistas totalmente diferente”, assumiu, recordando que, no âmbito da descentralização de competências, os municípios podem recusar a nova legislação até 2021, mas deverão assumi-la a partir desse ano.

O diploma estabelece como disposição transitória que procedimentos para autorizações, licenciamentos e concessões pendentes terão decisão final da entidade anteriormente competente, e que títulos de utilização de zona de praia se mantêm válidos nos termos e nas condições em que foram emitidos.

Segundo a federação, a contratação pelos municípios pode até minimizar as mortes por afogamento no litoral, que ocorrem com mais frequência fora da época balnear, de acordo com dados do Observatório do Afogamento: “Os portugueses não morrem no mar durante o verão, é fora do verão”, frisou o dirigente.

A Lusa contactou a Federação Portuguesa de Concessionários de Praia, que remeteu para mais tarde uma declaração sobre a contratação de nadadores-salvadores, uma vez que o assunto está em discussão.

O presidente da Fepons referiu ainda que o organismo está a organizar o setor de salvamento aquático em Portugal, constituindo associações, como as corporações de bombeiros, para garantir formação contínua.

Alexandre Tadeia alertou ainda para uma diminuição de 20% de nadadores-salvadores, em relação a 2018, explicando que muitos são estudantes universitários e ainda estão em aulas, principalmente no arranque da época balnear. “Só regressa para trabalhar como nadadores-salvadores, no segundo ano, uma pequena percentagem de 20%”, afirmou, dando conta de precariedade nas condições de trabalho como um dos principais fatores. A diferença de condições no país também faz com que alguns não regressem.

Todos os anos são formados perto de 1.500 nadadores-salvadores, mas nem todos procuram trabalho na área.

A época balnear, que é definida pelos municípios, já arrancou pelo menos nos concelhos de Cascais (distrito de Lisboa) e Almada (distrito de Setúbal).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)