O acontecimento teve lugar no Texas, onde um condutor, como muitos outros, se viu obrigado a enfrentar as cheias que afectaram a região no seu veículo. Só que este, em vez das grandes pick-up, tão populares entre os utilizadores americanos, deslocava-se numa berlina de luxo, com reduzida altura ao solo, o que mais facilmente a poderia expor à água que inundava aquela zona da estrada.

Mas este texano não só enfrentou a água numa viatura baixa, como o fez a bordo de um veículo 100% eléctrico, que sob a plataforma transporta uma generosa capacidade em acumuladores, muito provavelmente 100 kWh, o que faria arrepiar a maioria, pois é conhecida a má relação que existe entre electricidade e a água, sobretudo com seres humanos à mistura.

Mas o Tesla Model S, à semelhança dos restantes veículos eléctricos, tem as baterias completamente blindadas e isoladas, pelo que dificilmente lá chegará a água. Porém, atravessar zonas de cheia num carro eléctrico será sempre mais complicado do que a bordo de um automóvel convencional com motor de combustão, sobretudo se for a gasóleo. Além das baterias, há uma série de cablagens que também não apreciam água e a enorme quantidade de electrónica a bordo de um veículo moderno é tal que se torna desaconselhável submetê-la a um banho de imersão. E uma forte pancada anterior por baixo, que possa ter afectado o revestimento das baterias, pode complicar bastante as consequências desse mergulho.

Em resumo, atravessar água com uma certa profundidade é desaconselhável para automóveis com reduzida altura ao solo, tenham eles motores eléctricos ou a combustão. E quando um destes últimos “aspira” uma quantidade de água, por pequena que seja, os danos no motor são muitas vezes irreparáveis, uma vez que a água não é comprimível, ao contrário da mistura ar/combustível.

O condutor do Texas não foi o primeiro (nem será o último) a arriscar fazer de um carro eléctrico um barco. Outro, igualmente num Model S, atravessou um túnel cheio de água no Cazaquistão e de forma tão violenta que o cachão chegou ao pára-brisas. E continuou a andar, enquanto outros veículos (até SUV) com motor de combustão ficavam para trás parados. Até Elon Musk ficou surpreendido pela ousadia, afirmando que “nós definitivamente não aconselhamos isto, mas aparentemente é possível transformar o Model S num barco por curtos períodos de tempo”.