A campanha do partido Aliança às europeias arrancou esta segunda-feira em Lisboa, com muitos pedidos ao cabeça de lista, Paulo Sande, para defender Portugal na Europa e elogios pela aposta em “caras novas” no panorama político.

Passavam poucos minutos das 10h20 quando Paulo Sande chegou à entrada da Gare do Oriente, ponto de encontro com a restante comitiva, composta por cerca de duas dezenas de pessoas.

Empunhando bandeiras azuis e munidos de centenas de panfletos, a comitiva foi abordando os presentes, apresentando-se e explicando a importância de no dia 26 todos irem votar para o candidato “ter mais força na Europa”.

Sem a presença de Pedro Santana Lopes, líder da Aliança, Pedro Sande iniciou o seu pequeno périplo pela zona do Parque das Nações, em Lisboa, com uma caminhada junto ao Meo Arena, onde se cruzou com alguns turistas e alguns idosos, que descansavam sentados nos bancos.

Vocês são o partido do Santana, não são?“, questionou uma idosa, após notar a foto do antigo primeiro-ministro nos panfletos que estavam a ser distribuídos.

“Precisamente, mas repare na nossa lista de candidatos e verá que não encontra uma cara conhecida. É tudo gente nova”, respondeu, orgulhoso, o candidato, ao mesmo tempo que recebia incentivos e pedidos para “defender Portugal”.

A comitiva seguiu depois para o centro comercial Vasco da Gama, onde distribuiu panfletos e canetas às poucas pessoas que, àquela hora, circulavam nos corredores da superfície comercial.

Já no exterior do centro comercial, novamente junto ao ponto de partida, Paulo Sande manteve uma conversa de alguns minutos com dois agentes da PSP, na qual abordou os “perigos do discurso da extrema direita e das demagogias”.

“Temos de estar atentos e evitar cair nesse tipo de discursos. Da nossa parte podem contar com uma campanha que foque as necessidades das pessoas e a importância da relação com a Europa”, sublinhou o Paulo Sande.

No final da iniciativa, em declarações à agência Lusa, o candidato da Aliança referiu que a expectativa do partido é “eleger, pelo menos, dois deputados”, assegurando que será uma “campanha pela positiva”.

“Estamos a fazer uma campanha pela positiva e viremos para a rua sempre que podermos. A Aliança teve a capacidade de em muito pouco tempo espalhar-se pelo país todo, explicar às pessoas porque existe e porque está aqui”, apontou.

Relativamente à ação desta manhã, Paulo Sande fez um balanço positivo, sublinhando a receção que teve por parte das pessoas com quem foi falando.

As pessoas querem mudança, caras novas, pessoas que nunca fizeram política. Estão zangadas e fartas de verem sempre os mesmos”, concluiu.