Rádio Observador

CIP

Presidente da CIP diz que Berardo não é representativo dos empresários portugueses

348

O presidente da CIP disse que o comportamento de Joe Berardo enquanto empresário não é representativo do empresariado português, que afirma ser composto sobretudo por pessoas com ética.

JOÃO RELVAS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O presidente da CIP — Confederação Empresarial de Portugal disse que o comportamento de Joe Berardo enquanto empresário não é representativo do empresariado português, que afirma ser composto sobretudo por pessoas com ética e que honram os compromissos.

Aquilo que tem sido transmitido é uma imagem dos empresários portugueses como se fossem Joe Berardo e não é assim. Os empresários portugueses são gente que honra os seus compromissos, que arrisca, mas também que se pauta por ética, rigor, cumprimento das suas obrigações”, disse António Saraiva em declarações à Lusa, considerando que Berardo “não é o paradigma dos empresários portugueses”.

Para o líder da confederação patronal é incorreto ver qualquer semelhança entre a maioria do empresariado português e Joe Berardo, referindo até que o “grau de exigência” pedido às empresas na concessão de créditos é muito diferente da que foi pedida a Berardo e que os responsáveis por isso também devem ser responsabilizados.

Saraiva disse que quando a sua empresa recorre a empréstimos lhe são exigidas “garantias pessoais, livranças em branco”, ou seja, que a responsabilidade pessoal do empresário responda pela insuficiência da empresa, pelo que defendeu que têm de ser responsabilizados aqueles que concederam empréstimos adulterando as regras.

Se neste ou naquele caso estas regras não existiram, há responsabilidades que têm de ser apuradas, a culpa em Portugal não pode continuar a morrer solteira”, afirmou.

Sobre a retirada da condecoração da República Portuguesa a Joe Berardo, António Saraiva disse que também ele foi agraciado e que por isso sabe que esse processo passa pela assinatura pelo condecorado de um compromisso de ética e comportamento.

“Se essas regras [que os condecorados assinam] forem declaradamente incumpridas […], há uma quebra de compromisso e a manutenção [da condecoração] deve ser revista”, defendeu.

A ida de Joe Berardo à comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD), na passada sexta-feira, provocou nos últimos dias uma chuva de críticas, desde logo pela forma como se dirigiu aos deputados.

Perante os parlamentares, o empresário madeirense declarou que é “claro” que não tem dívidas, uma vez que as dívidas aos bancos (incluindo o banco público CGD) não são dívidas pessoais, mas de entidades ligadas a si, e que tentou “ajudar os bancos” com a prestação de garantias e que foram estes que sugeriram o investimento em ações do BCP.

Deu ainda a entender que os títulos de participação da Associação Coleção Berardo (a dona das obras de arte) que entregou aos bancos para reforçar as garantias dos empréstimos perderam valor com um aumento de capital em que as entidades financeiras não participaram, aparentemente porque não souberam que existiu.

A várias perguntas dos deputados, Joe Berardo disse ainda que deveriam era ser feitas aos bancos em causa: “Pergunte à Caixa, eles é que me emprestaram o dinheiro”.

Já confrontado com a ideia de que a Caixa “está a custar uma pipa de massa”, respondeu: “A mim, não!”.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse hoje que não se oporá a um eventual processo do Conselho das Ordens Nacionais a Joe Berardo para apurar se violou os seus deveres de titular da Ordem do Infante D. Henrique.

O empresário José Manuel Rodrigues Berardo, conhecido por Joe Berardo, recebeu duas condecorações da Ordem do Infante D. Henrique, que é uma das Ordens Nacionais. Foi condecorado pelo Presidente António Ramalho Eanes com o grau de comendador da Ordem do Infante D. Henrique, em março de 1985, e depois com a Grã-Cruz da mesma ordem, em outubro de 2004, que lhe foi atribuída por Jorge Sampaio.

Atualmente, o Conselho das Ordens Nacionais tem como chanceler a antiga ministra das Finanças e antiga presidente do PSD Manuela Ferreira Leite.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)