Greve

Greve dos trabalhadores do Hospital Amadora-Sintra com adesão superior a 95%

Os trabalhadores do Hospital Amadora-Sintra estão em greve, com 95% de adesão. Reivindicam a aplicação do acordo coletivo de trabalho e reclamam ainda o salário mínimo da Função Pública.

O Hospital Fernando da Fonseca está esta quarta-feira a trabalhar em serviços mínimos, sendo que no bloco operatório só estão a ser atendidas as situações urgentes e emergentes

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A greve dos trabalhadores do Hospital Amadora-Sintra está a registar uma adesão superior a 95%, com as consultas externas encerradas, segundo o sindicato que decretou a paralisação.

Sebastião Santana, dirigente da Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, disse que o Hospital Fernando da Fonseca está esta quarta-feira a trabalhar em serviços mínimos, sendo que no bloco operatório só estão a ser atendidas as situações urgentes e emergentes.

Os trabalhadores reivindicam a aplicação neste hospital do acordo coletivo de trabalho que vigora em todas as unidades hospitalares EPE do país.

Os trabalhadores reclamam ainda o salário mínimo da Função Publica (635 euros) quando o Amadora-Sintra está a pagar 600 euros.

Sebastião Santana, em declarações à agência Lusa, lamentou que nestes aspetos o hospital seja “uma ilha no SNS”.

Algumas dezenas de trabalhadores começaram a concentrar-se junto à entrada do hospital antes das 12h00, uma forma de protesto para reforçar a greve que se estende até ao final do dia desta quarta-feira.

Esta greve coincide com o terceiro dia de paralisação dos anestesistas do Amadora-Sintra.

O pré-aviso foi emitido para todos os trabalhadores mas o sindicato representa essencialmente os cerca de 650 auxiliares e 280 administrativos do hospital.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A direita em crise?

Luiz Cabral de Moncada

A perda de terreno eleitoral pela direita só significa que a esquerda assimilou o que aquela de melhor tem, o liberalismo económico e social. Está em crise? Não, já ganhou no terreno das ideias.

Política

Eleições à vista

José Couceiro da Costa

Hoje, com a velocidade da informação, o que releva são as causas, tão voláteis como as opiniões da sociedade civil. O modus operandi da política do séc. XX está morto. A ordem natural está invertida.

Jovens

É desta que fazemos valer a nossa geração?

Teresa Cunha Pinto

Esta geração vive com a barriga cheia de uma grande ilusão. De que é a geração mais informada, mais qualificada, mais viajada. É pura ilusão porque em nada se concretiza e materializa. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)