Rádio Observador

FC Porto

“Não tenho vergonha de deitar uma lágrima. Sou homem, sinto, sofro, sou um apaixonado”: o desabafo de Sérgio

4.091

Numa conferência com apenas quatro perguntas, Sérgio Conceição lamentou derrota portista no dia em que "a injustiça esteve no ponto máximo" e valorizou atitude num "momento difícil".

Sérgio Conceição valorizou atitude de jogadores e adeptos em nova final perdida no Jamor, desta vez com o FC Porto

AFP/Getty Images

Também houve quatro golos, também houve prolongamento, também houve uma reviravolta inesperada ao cair do pano, também houve grandes penalidades. As últimas duas Taças de Portugal ganhas pelo Sporting no Jamor tiveram como ponto comum Sérgio Conceição que, depois de ter visto o seu Sp. Braga deixar fugir um título que parecia garantido aos 80 minutos em 2015 (2-0 com mais um jogador), perdeu também com o FC Porto mais uma final com os leões, à semelhança do que tinha acontecido na Taça da Liga em Braga, ou nas meias-finais da Taça da Liga e da Taça de Portugal, na última época.

No final, ainda antes de ter recusado cumprimentar o presidente verde e branco, Frederico Varandas, naquele que se transformou no principal caso do jogo extra quatro linhas, o técnico andou pelo relvado quase de lágrimas nos olhos, agradecendo ainda aos adeptos enquanto cumprimentava os jogadores. Do campo para a conferência de imprensa, onde respondeu apenas a quatro perguntas, os atos passaram às palavras e Sérgio Conceição demonstrou toda essa frustração pelo resultado.

“Não foi por perder nos penáltis, foi por perder a Taça. Fizemos mais do que suficiente durante os 90 minutos para nem precisar de irmos para o prolongamento. Depois de 25 minutos equilibrados, fomos melhores, marcámos e, em cima do intervalo, num lance a acabar onde a bola ia para fora e há um desvio de um jogador nosso, sofremos o empate. Ainda assim, a equipa mostrou sempre alma, crença e uma vontade enorme de ganhar. A segunda parte foi completamente controlada, criámos oportunidades, tivemos duas bolas no poste e até conseguimos chances com facilidade. Mais uma vez houve essa atitude depois do 2-1, de ir à procura de acabar a época como merecíamos num ambiente difícil com jogadores no chão e perdas de tempo, fizemos o golo e depois vieram os penáltis. Foi muito cruel e injusto”, salientou numa primeira análise.

Passando ao lado do tema Frederico Varandas, e do que terá dito ao número 1 do Sporting (“Explicar? Não, foi sobre futebol”, disse apenas), Sérgio Conceição assumiu que “há várias ilações a retirar da época”: “Agora não é o momento mas há, agora é para falar de um jogo onde a injustiça esteve no seu ponto máximo porque merecíamos vencer”.

“É um momento difícil para nós, que sentimos muito. Não foi por ler notícias quase diárias que os jogadores saíam e iam embora que deixou de haver uma união muito grande. Hoje demonstraram mais uma vez isso, com alma, sempre comprometidos com o jogo. Ver a minha família, não de sangue, no relvado e saber que mereciam a vitória tal como a família portista, pela paixão que mete em todos os jogos… Não tenho vergonha de deitar uma lágrima. Sou homem, sinto, sofro, sou um apaixonado pela vida. Este jogo teve a injustiça e a crueldade no seu ponto máximo”, concluiu antes de abandonar a sala de imprensa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)