Rádio Observador

Natureza

Amazónia tem 68% das áreas protegidas ameaçadas

472

Só devido a atividades mineiras e extração de petróleo estão em risco 87 milhões de hectares da região amazónica. Também 136 mil quilómetros de estradas estão a afetar as zonas verdes.

O desmatamento é uma das principais ameaças da Amazónia

AFP/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

Cerca de 68% das áreas de proteção e conservação da Amazónia, que incluem territórios indígenas, estão ameaçadas por indústrias extrativas, projetos de infraestruturas, construção de hidroelétricas e pelo desmatamento, segundo um estudo divulgado esta quarta-feira.

De acordo com o relatório, só por atividades mineiras e de extração de petróleo estão em risco 22% dessas zonas, o que representa cerca de 87 milhões de hectares da região amazónica.

O estudo baseia-se numa análise que identifica as pressões e ameaças enfrentadas na Amazónia por intervenções de infraestruturas de transporte (estradas), energia (hidroelétricas) e indústrias extrativas (mineração e petróleo), além de controlar a frequência de queimas e desmatamento da região.

Elaborado pela Rede Amazónica de Informação Socioambiental (Raisg) – um grupo técnico formado por organizações de seis países da região amazónica (Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela) -, o relatório foi divulgado no Brasil pelo Instituto Socioambiental (ISA), uma das ONG’s que compõem a rede.

A análise indica que as indústrias mineiras e petrolíferas são as que mais pesam na “panamazónia”, ou seja, nos territórios protegidos pelas leis nacionais e que, além do Brasil, englobam oito outros países (Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa-território francês). Juntos têm projetos que podem afetar 208 milhões de hectares dessa região.

Embora as ameaças incluam as atividades de mineração ilegal, presentes em toda a região, o estudo destaca que os riscos também são provenientes de projetos extrativos que foram endossados pelos governos, muitos dos quais foram lançados sem a devida consulta às populações afetadas.

A lista dos países que ameaçam a Amazónia é encabeçada pelo Brasil, com projetos extrativos, em desenvolvimento ou a serem implementados, que ultrapassam os 117 milhões de hectares, dos quais os projetos mineiros cobrem mais de 108 milhões de hectares. Segue-se a Colômbia e o Peru, com projetos da indústria extrativa que envolvem cerca de 20 e 21 milhões de hectares, respetivamente.

No que diz respeito a estradas, dos 136 mil quilómetros mapeados na região pela Raisg, aproximadamente 20% (26 mil quilómetros) sobrepõem-se a áreas naturais protegidas e territórios indígenas.

A investigação “Dinâmica espaço-temporal da desflorestação na Amazónia brasileira”, citada no estudo, indica que a maior parte do desmatamento no Brasil ocorre na proximidade de estradas.

Outro risco para a região vem de projetos de energia. De acordo com o relatório, das 272 grandes centrais hidroelétricas na Amazónia que se encontram em planeamento, construção ou operação, 78 estão dentro dos territórios indígenas e 84 estão em conflito com áreas naturais protegidas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)