Rádio Observador

Tribunal Constitucional

Tribunal Constitucional aceita partido Reagir, Incluir e Reciclar (RIR). O líder é Tino de Rans

3.368

O partido Reagir, Incluir e Reciclar (RIR), fundado pelo antigo candidato à Presidência da República Vitorino Silva (conhecido como "Tino de Rans"), foi aceite pelo Tribunal Constitucional.

Tiago Petinga/LUSA

O partido Reagir, Incluir e Reciclar (RIR), fundado pelo antigo candidato à Presidência da República Vitorino Silva (conhecido como “Tino de Rans”), foi aceite pelo Tribunal Constitucional (TC) e é o mais recente partido político português, confirmou à Lusa fonte oficial.

“O Tribunal Constitucional considera verificada a legalidade da constituição e decide deferir o pedido de inscrição, no registo próprio existente no tribunal, do partido político com a denominação “Reagir, Incluir e Reciclar”, a sigla RIR”, lê-se no acórdão enviado aos fundadores daquela força política e ao qual a agência Lusa teve acesso.

O documento, datado de 30 de maio, refere que a oficialização do partido foi “requerida por 10.688 cidadãos eleitores”, mas foram validadas “as subscrições de 7.613 cidadãos eleitores”.

Os requisitos formais para a inscrição de um partido político indicam que a oficialização tem de ser subscrita por, pelo menos, 7.500 cidadãos eleitores.

A decisão foi primeiro veiculada pelo partido e confirmada depois à agência Lusa por fonte oficial do TC, que indicou que o nome do partido deverá passar a constar no ‘site’ daquele órgão nos próximos dias.

Em comunicado enviado às redações, os fundadores do partido aproveitam para “agradecer a todos os que confiaram neste novo projeto político”, em especial “aos que assinaram” para a sua oficialização.

Obrigada a todos os que confiaram em mim, me apoiaram e assinaram para a criação do partido, sem eles não teria conseguido”, refere Vitorino Silva, citado pela nota.

A 05 de fevereiro, o antigo candidato às eleições presidenciais, e fundador do partido, entregou no TC, em Lisboa, os documentos exigidos por lei (estatutos e declaração de princípios) para iniciar o processo de formalização do RIR.

Na altura, o antigo presidente da Junta de Freguesia de Rans, no concelho de Penafiel, distrito do Porto, disse aos jornalistas que tinham sido entregues “cerca de 11 mil assinaturas”, todas recolhidas a “calcar terreno, a romper solas, por uma questão de princípio”, sem recurso à internet.

Questionado na altura se o partido se identifica com a direita ou com a esquerda, Vitorino Silva defendeu que o RIR “é um partido 360 graus, porque o próprio nome diz incluir”.

Vitorino Silva classificou o RIR como “um partido próximo das pessoas”, de “gente livre e daquela gente que tem confiança no protesto” e uma força política que nasceu do resultado eleitoral alcançado em 2016, nas presidenciais.

Quando concorreu à Presidência da República, “Tino de Rans” conseguiu 152.094 votos (3,28%), o que lhe valeu o sexto lugar na eleição ganha por Marcelo Rebelo de Sousa.

Na declaração de princípios, o RIR assume-se como “humanista, pacifista, ambientalista, europeísta e universal, com o grande propósito de aproximar eleitores e eleitos, através de uma real e efetiva aproximação dos políticos aos cidadãos, devolvendo à política a sua missão de serviço público em defesa do bem comum e defesa da democracia”.

Apesar de não ter podido concorrer às eleições europeias, que se disputaram em 26 de maio, o partido indica, em comunicado, que irá “concorrer às eleições legislativas marcadas para 06 de outubro”.

Na mesma nota, o partido aproveita para dar conta de qual será a sua atuação política, apontando que “com o RIR os cidadãos portugueses terão uma porta aberta na Assembleia da República” e “haverá sempre tempo para ouvir os cidadãos que têm soluções para o país”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)