Rádio Observador

Financiamento

Cerca de 73% do financiamento público é para crédito, só 2% para habitação pública

Uma investigadora concluiu que cerca de 73% do financiamento público na área da habitação, entre 1987 e 2011, destinou-se à bonificação de juros do crédito à habitação e apenas 2% à habitação pública.

Ana Cordeiro Santos afirma que o setor da construção "tornou-se o grande negócio da banca".

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Cerca de 73% do financiamento público na área da habitação, entre 1987 e 2011, destinou-se à bonificação de juros do crédito à habitação e apenas 2% à habitação pública, concluiu uma investigadora. Este setor, alerta Ana Cordeiro Santos, foi “sempre o parente pobre do Estado”.

Entre 1987 e 2011, a grande fatia da despesa do Estado na habitação centrou-se na bonificação de juros do crédito à habitação, sendo que o atual Governo continua a apostar na mesma receita seguida ao longo dos anos, disse à agência Lusa Ana Cordeiro Santos, coordenadora do projeto de investigação do “FINHABIT — Viver em Tempos Financeiros: Habitação e Produção de Espaço no Portugal Democrático”, do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.

No último período analisado (2007/2011), o Estado tinha gasto mais de mil milhões de euros na bonificação de juros, sendo que entre 2002 e 2006 foram gastos mais de 2 mil milhões de euros neste apoio.

Segundo a responsável pela investigação, a política do Estado no setor da habitação tem sido caracterizada por uma forte relação com a finança, postura essa que se acentuou com a construção da moeda única, a partir de dois fatores: por um lado, facilitou o acesso ao financiamento de todos os agentes (empresas de construção e famílias), e, por outro, levou a economia portuguesa a apostar no setor dos não transacionáveis, nomeadamente a construção.

O setor da construção “tornou-se o grande negócio da banca”, nota.

Se a crise financeira de 2008 chamou a atenção para um país com um setor de construção e imobiliário “hiperdesenvolvido” e para uma banca muito exposta a esta área da economia portuguesa, as políticas prosseguidas posteriormente continuaram a acentuar a relação entre a finança e a habitação, afirmou Ana Cordeiro Santos.

Com a crise, vieram também transformações cujos efeitos só se sentiram mais tarde, como é o caso do Novo Regime do Arrendamento Urbano (que liberalizou o mercado do arrendamento e facilitou os despejos), ou os programas de incentivo ao investimento estrangeiro, de que são exemplos o programa ‘Vistos Gold’ ou o Regime Fiscal Específico para o Residente Não Habitual.

Num contexto de crise, com a população depauperada, surgiu um conjunto de medidas para atrair o capital estrangeiro”, salienta, considerando que a política de Bruxelas de taxas de juro muito baixas fez também “com que o imobiliário se tornasse um investimento financeiro muito mais atrativo”.

É nesse âmbito que se chega a um momento em que se assiste a uma “bolha imobiliária” nas áreas metropolitanas do Porto e Lisboa e no Algarve, nota. “Os preços sobem ininterruptamente desde há três anos e esse risco existe de que a bolha impluda”, alerta.

Se durante a crise financeira de 2008 havia uma grande exposição ao setor da construção por parte da banca, em 2017, a exposição representava ainda 38% do ativo total do setor bancário, o que significa que “um decréscimo acentuado de preços no mercado de imobiliário residencial terá efeitos negativos sobre a banca”, afirma a investigadora. Nesse sentido, “a pressão para manter os preços da habitação elevados é enorme, porque deles depende a sobrevivência do imobiliário e da banca”, sustenta.

De acordo com Ana Cordeiro Santos, face à dependência da economia no setor imobiliário, todos os agentes, incluindo o Governo, estão “a evitar a queda dos preços”.

“Toda a gente está mobilizada para manter os preços a crescer”, acrescenta. Para a investigadora, o atual Governo tem seguido a lógica da ligação entre habitação e finança, “de uma forma deliberada, não tanto preventiva”.

O Governo “tem promovido deliberadamente o setor imobiliário (através de relevantes incentivos fiscais e outros), e também o setor financeiro através da criação de novos instrumentos e sociedades financeiras que promovem o imobiliário. Esta tem sido mais uma aposta económica do que uma medida de política habitacional”, vinca.

Para a investigadora, a própria Lei de Bases da Habitação “foi um bocadinho esvaziada” da sua ambição inicial e as medidas de incentivo ao arrendamento a longo prazo não surtirão qualquer efeito nas classes média e baixa.

Ana Cordeiro Santos considera “que não há vontade política de se ter um orçamento habitacional suficiente para levar a cabo uma política de habitação pública”.

Sendo a habitação “o parente pobre” do Estado, era necessário “haver o que nunca existiu – uma dotação orçamental mais significativa para promover uma maior oferta pública, sobretudo de arrendamento”, frisa a investigadora.

Os resultados do projeto FINHABIT estão presentes no livro “A Nova Questão da Habitação em Portugal”, que é lançado hoje pela Conjuntura Actual Editora, do grupo Almedina.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)