Rádio Observador

Duarte Lima

Relação de Lisboa anula acórdão de absolvição de Duarte Lima no caso de burla à herança de Tomé Feteira

2.613

Ex-deputado do PSD tinha sido absolvido de ter ficado com cerca de 5 milhões de euros que alegadamente pertence à herança de Tomé Feteira. Decisão da Relação dá força ao caso de homicídio de Rosalina.

Olímpia Feteira (à esquerda) é a cabeça de casal da herança Feteira. Duarte Lima (à direita) foi acusado do homicídio de Rosalina Ribeiro (ao centro).

É mais uma derrota para Duarte Lima. O Tribunal da Relação de Lisboa anulou a decisão de absolvição do ex-líder parlamentar do PSD decidida pelo Tribunal Judicial  de Lisboa no início deste ano. Estava em causa a imputação de um crime de abuso de confiança por alegado desvio de 5 milhões de euros da herança Feteira — precisamente o móbil do crime de homicídio que lhe é imputado pelas autoridades brasileiras e que está a ser analisado num segundo processo que poderá vir a ser julgado em Portugal.

Os desembargadores da Relação de Lisboa decidiram dar razão à assistente herança de Tomé Feteira, representada pela cabeça de casal Olímpia Feteira através do advogado José António Barreiros, e anularam a decisão da 1.ª instância por o coletivo do Tribunal Judicial de Lisboa ter utilizado factos que não estavam nem na acusação do Ministério Público nem no pedido de indemnização cível — prática que está vedada ao tribunal pela lei.

Daí a Relação de Lisboa ter ordenado a baixa do processo à 1.ª instância para que seja proferida nova decisão, de forma “expurgar o vício” apontado pelos desembargadores Vasco Freitas (relator) e Rui Gonçalves (adjunto).

Recorde-se que Duarte Lima encontra-se preso no Estabelecimento Prisional da Carregueira a cumprir pena de prisão de pouco mais de 3 anos por burla e branqueamento de capitais no caso Homeland.

A origem do caso e as razões para a absolvição

O processo que teve agora decisão da Relação de Lisboa iniciou-se precisamente com o caso Rosalina Ribeiro — a ex-secretária do milionário Tomé Feteira que foi assassinada no Brasil. Na sequência do cumprimento da segunda carta rogatória das autoridades brasileiras, que solicitaram o interrogatório de Duarte Lima no âmbito da instrução criminal do processo de homicídio de Rosalina, o Ministério Público extraiu certidão das declarações do advogado prestadas perante o Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa.

É que uma das perguntas das autoridades brasileiras tinha precisamente a ver com o alegado móbil para o homicídio: o alegado desvio de cinco milhões de euros da herança de Lúcio Feteira para uma conta de Duarte Lima também aberta na Suíça. O advogado não negou que tivesse recebido esse valor, mas justificou que tal transferência correspondia ao pagamento antecipado de honorários. A juíza que o interrogou, Cláudia Pina, considerou a justificação de Duarte Lima como pouco credível. “Espanta-me que tenha sido pago, à cabeça, cinco milhões de euros, um terço do valor que ela [Rosalina Ribeiro] tinha direito na herança. É invulgar”, afirmou.

Daí à investigação do Ministério Público por abuso de confiança foi um pequeno salto. Uma das principais provas da acusação prendia-se com o testemunho de Armando Carvalho, afilhado de Rosalina, que tinha garantido ao procurador que investigou o caso que a sua madrinha tinha transferido em 2001 cerca de 5 milhões de euros para Duarte Lima, por sugestão do próprio e com o objetivo de “esconder o dinheiro da herança”, de acordo com o Expresso. O problema é que em audiência de julgamento Armando Carvalho deu o dito por não dito e negou que tivesse feito tais declarações durante a fase de inquérito. Mesmo quando foi confrontado com o auto de inquirição por si assinado, manteve a nega — o que levou o Ministério Público a extrair certidão para instauração de um inquérito criminal por falsas declarações.

Seja como for, o testemunho de Armando Carvalho, a principal prova da acusação, teve uma consequência inevitável: a absolvição de Duarte Lima. Decisão que foi agora revogada pela Relação de Lisboa.

Esta decisão poderá vir a dar força ao caso do alegado homicídio de Rosalina Ribeiro, visto que o alegado desvio dos cinco milhões de euros é o móbil do alegado crime imputado a Duarte Lima pelas autoridades brasileiras. Este processo deverá ser enviado para Portugal para que o ex-líder parlamentar do PSD seja julgado em território nacional.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: lrosa@observador.pt
Duarte Lima

A impunidade e o tempo da Justiça /premium

Luís Rosa
775

Do que está à espera o PS para iniciar processo de expulsão de Armando Vara, tal como o PSD fez com Duarte Lima? Socialistas têm mais razões para agir porque Vara está preso por influenciar Governo PS

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)