Rádio Observador

Renamo

Guerrilheiros da Renamo rejeitam rótulo de desertores e pedem que líder do partido abdique

O comandante Mariano Nhungue Chissingue pediu a demissão de Ossufo Momade, presidente da Renamo. Diz que os comandantes do partido vão eleger um novo líder e defende que não é um desertor.

RICARDO FRANCO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O comandante Mariano Nhungue Chissingue, da guerrilha da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), negou esta quarta-feira ser um desertor, como anunciado pelo principal partido da oposição em Moçambique, e insistiu no pedido de demissão do presidente, Ossufo Momade.

“Eu não saí da Renamo (…) Porque não me pegam? Porque o objetivo é o mesmo. Nenhum soldado da Renamo me vai balear. Estamos juntos”, referiu numa conferência de imprensa na zona de Piro, nas encostas da serra da Gorongosa, na estrada entre a vila da Gorongosa e Casa Banana.

“Ele [Momade] não vai chegar ao dia 10 [de julho]”, prazo dado por Chissingue para o líder da Renamo se demitir, reafirmou hoje, ao apresentar-se juntamente com alguns guerrilheiros, tal como havia feito quando há uma semana pediu o afastamento do líder do principal partido opositor moçambicano. “Estes comandantes é que vão eleger” o novo líder do partido, disse.

“Não queremos mais a ala política”, disse, acrescentando: “Não tenho diálogo com Ossufo (…) O que ele quer mais connosco?”, questionou ainda Chissingue.

Chissingue foi um dos estrategas da Renamo que dirigiu a resposta armada às emboscadas de que Afonso Dhlakama, antigo líder do partido, foi alvo, em Manica, antes do cessar-fogo em 2016. “Eu não quero guerra, não temos nada com o Governo, estamos em trégua”, disse esta quarta-feira, classificando que se passa como “um problema interno” da Renamo.

E com o figurino atual diz que “não há acantonamento, não há desmobilização e não há entrega das armas”, numa posição que diz ser comum a “todos os guerrilheiros da Renamo”. “Decidimos: não queremos ser vendidos”, disse aos jornalistas, ao negar as propostas de desmobilização e reintegração negociadas por Ossufo Momade com o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, com vista a um acordo de paz que ambos querem assinar até início de agosto.

Chissingue acusa Momade de entregar nomes de familiares e amigos sem ligação à Renamo para ocuparem cargos de chefia nas Forças de Defesa e Segurança moçambicanas em detrimento de oficiais que estão nas bases da guerrilha.

“Queremos uma pessoa segura para ser nosso presidente” e “negociar com o Governo a desmobilização e entrega das armas”, porque o “destroçar dos quadros” como previsto pode criar “uma guerra”, que pretende evitar, referiu.

O comandante considera Ossufo Momade um “traidor” que tem destruído as estruturas do partido e que terá ordenado a morte de três brigadeiros – desafiando a Renamo a indicar onde estão. “As famílias querem falar com eles e nós também”, referiu.

Questionado sobre as declarações de hoje de Chissingue, José Manteigas voltou a referir aos jornalistas que o comandante da guerrilha é um desertor, tal como os homens que o acompanham.

Classificou ainda como uma “grosseira mentira” que algum oficial tenha sido assassinado. “Todos vão perceber que isto não passa de uma calúnia e um atentado à paz, à reconciliação nacional que todos os moçambicanos estão a tentar reconquistar”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)