Rádio Observador

Ministério da Saúde

Governo garante: urgências para grávidas vão funcionar “sempre” em três dos quatro hospitais

O ministério da Saúde admite: uma de quatro principais unidades hospitalares da Grande Lisboa poderá não ter urgências para grávidas a funcionar "sempre" no verão. Fala em "gestão de recursos".

iStockphoto/NataliaDeriabina

Das quatro unidades hospitalares cujas urgências poderiam funcionar em regime de rotatividade durante o período do verão, segundo noticiou esta quinta-feira o jornal Público, três terão “sempre garantidos os serviços de urgência externa”. A garantia é dada pelo ministério da Saúde, em comunicado enviado à agência Lusa.

O Público avançava esta quinta-feira que “a ser acordada”a solução atualmente em estudo, “pelo menos um destes quatro hospitais de referência com o serviço de urgência de obstetrícia” poderia estar “encerrado ao público” entre a última semana de julho e o final de setembro.

O Governo não parece negar, por ora, a possibilidade, garantindo serviços de urgência externa para grávidas em todo o verão apenas em três das quatro unidades hospital.

O ministério assegura  ainda que fora do período de verão, as quatro unidades — Maternidade Alfredo da Costa, Santa Maria, São Francisco Xavier e Amadora-Sintra — vão manter a capacidade de resposta nos seus serviços de urgência “sem alterações”. Essa capacidade de resposta, contudo, tem vindo a ser questionada por profissionais e especialistas, que falam de uma situação de “caos” em Lisboa.

Admitindo que a Autoridade Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo está a estudar “o encaminhamento de utentes pela CODU (Centro de Orientação de Doentes Urgentes – INEM)”, devido ao que o jornal Público avançou ser uma situação de falta de pessoal,  o Governo sublinha que “esta é uma situação que ocorre à semelhança de anos anteriores, em que a ARSLVT entende estudar, de forma proativa, medidas que garantam o funcionamento pleno das urgências dos hospitais da região na área da ginecologia/obstetrícia”.

O Ministério da Saúde está a acompanhar o trabalho preparatório que envolve a ARSLVT, o INEM e alguns hospitais da região de Lisboa. As medidas de gestão de recursos que estão em estudo pela ARSLVT não preveem o encerramento de qualquer maternidade por nenhum período temporal”, lembra ainda o ministério da Saúde.

Já o presidente da ARSLVT, Luís Pisco, deixou a certeza de que não haverá grávidas de ambulância de hospitais para hospitais na região de Lisboa“. O responsável acrescentou que as reuniões estão a decorrer para tentar planear a resposta dos serviços no verão, um período onde é normal existirem dificuldade em encontrar médicos e outro pessoal especializado para assegurar as escalas no período de férias. No entanto, pessoas citadas pelo Público, asseguram que a situação está mais grave este ano.

O Ministério liderado por Marta Temido “assegura” ainda que “as utentes terão garantidas todas as respostas de que necessitam, cabendo à ARSLVT informar com a devida antecedência a população sobre as medidas que venham a ser decididas”.

Esta situação já levou o Bloco de Esquerda a pedir a presença da ministra da Saúde Marta Temido. O PCP quer ouvir o responsável da Administração Regional de Lisboa e Vale do Tejo. O PSD de Lisboa exigiu “celeridade na resposta do Ministério da Saúde para não pôr em risco a saúde das grávidas e dos bebés”, declarou o partido num comunicado enviado às redações. “As grávidas e os bebés não podem ficar à espera das promessas eleitorais deste governo. Precisam de resposta imediata e o PSD Lisboa exige ao governo que não encerre as urgências destas maternidades”.

Também o Presidente da República apelou a que o tema fosse esclarecido e explicado, para que tranquilizar as pessoas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)