Luana Rodrigues, 10 anos, morreu na passada quarta-feira depois de o carro onde seguia com os avós, em Barcelos, ter desrespeitado a sinalização de uma passagem de nível e ter sido abalroado por um comboio. O trágico acidente, contudo, está a servir para a família se mobilizar num apelo generalizado para que se respeite a sinalização. No Facebook, foi criada uma página no nome de Luana, onde o apelo é feito na primeira pessoa.

“Eu era a passageira num carro e, sem explicação, o condutor resolveu atravessar a passagem de nível que estava fechada para o comboio passar (…) Se a passagem de nível estiver fechada, por favor, esperem, para que o comboio passe. Eu não tive essa sorte, infelizmente, e hoje já não me encontro neste mundo por essa razão, sem eu ter culpa alguma”, lê-se na descrição do grupo, que termina com um conselho: “Mais vale perder um minuto na vida, do que a vida num minuto.”

Em causa está o acidente que ocorreu na passada quarta-feira, na freguesia de Carapeços, no troço entre Barcelos e Tamel, na Linha do Minho, que provocou a morte dos três passageiros do veículo ligeiro que foi abalroado pelo comboio. Segundo disse na altura o Comandante dos Bombeiros de Barcelos, “o senhor [condutor] terá contornado as barreiras para passar a passagem de nível”, declarou à CMTV. A mesma hipótese foi confirmada por populares no local, afirmando que “as barreiras estavam fechadas quando ele (o condutor do veículo ligeiro) atravessou a passagem de nível”.

Também a Infraestruturas de Estradas garantiu em comunicado de imprensa que o acidente ocorreu numa Passagem de Nível automatizada, equipada com sinalização luminosa e meias barreiras, que “se encontrava em pleno funcionamento no momento do acidente”.

Colisão de carro e comboio em Barcelos mata criança e avós

Na página de Facebook, além dos alertas dos pais para que se respeite a sinalização da estrada, leem-se também muitas mensagens de consternação e pêsames pela morte dos três membros da família. O funeral de Luana Rodrigues decorreu este sábado, pelas 15h, na Igreja de Arcozelo, distrito do Porto.