Rádio Observador

Polícia Judiciária

Polícia Judiciária está a usar informação recolhida por Rui Pinto

1.333

Em entrevista à Rádio Observador, o diretor nacional adjunto da PJ, Carlos Farinha, revelou que a informação está a ser usada "de acordo com as regras" e levou a PJ a tomar "iniciativas".

Rui Pinto, o pirata informático de 30 anos, está preso preventivamente em Portugal, desde 22 de março

RODRIGO ANTUNES/LUSA

A Polícia Judiciária (PJ) está a utilizar a informação recolhida pelo hacker Rui Pinto, revelou esta quinta-feira o diretor nacional adjunto deste órgão policial, Carlos Farinha, em entrevista à Rádio Observador. O responsável adiantou também que a informação está a ser usada “de acordo com as regras” e que a PJ “tomou iniciativas”.

Portugal está a usá-la. Está a usá-la de acordo com as regras que nos regem, com as regras processuais e com as regras penais”, disse Carlos Farinha, quando questionado sobre se seria benéfico para Portugal utilizar a informação recolhida por Rui Pinto, como outros países estão a fazer.

Carlos Farinha adiantou também que além desta utilização, a PJ também tomou iniciativas relativamente aos dados recolhidos. “Para além de a estar a usar, tivemos iniciativas”, afirmou, sem revelar quais, reforçando: “É evidente que a Polícia Judiciária tomou as iniciativas e seguiu os passos que podia dar e fê-lo com o desafogo e o atrevimento que a situação exigia”.

[Ouça aqui a entrevista à Rádio Observador na íntegra]

O diretor nacional adjunto da PJ defendeu ainda que as regras processuais em Portugal são “suficientes” para a informação recolhida pelo pirata informático possa ser utilizada pelas autoridades portuguesas e garantiu que estão a ser “cumpridas”.

Se hoje há entidades a aproveitaram a informação, também é bom que se saiba que há regras processuais que estão a ser cumpridas, no respeito pelo presunção de inocência e na morosidade necessária que os tribunais têm para que haja uma justiça célere mas não precipitada e justa no final”, disse.

Rui Pinto, de 30 anos, está indiciado pela prática de dois crimes de acesso ilegítimo, dois de violação de segredo, um de ofensa a pessoa coletiva e outro de extorsão qualificada na forma tentada crimes. O pirata informático encontra-se em prisão preventiva desde 22 de março, depois de ter sido extraditado para Portugal, após a sua detenção na Hungria, a 16 de janeiro.

Com o hacker, veio também para Portugal todo o material informático apreendido no âmbito do processo, na Hungria: computadores, discos externos e telemóveis. As autoridades francesas chegaram a fazer uma cópia destes discos rígidos por receio de que fossem destruídos, em Portugal. No final de março, o Jornal de Notícias avançava que, apesar de colaborar com as autoridades francesas, o pirata informático continuaria a recusar colaborar com as autoridades portuguesas.

Depois de ter sido feita uma análise preliminar a este material, a PJ e o Ministério Público suspeitaram que o hacker teria tido acesso a emails de procuradores e de funcionários da Administração Interna e conseguido obter informações sobre o inquérito de que era alvo. No despacho do DCIAP em que constam as suspeitas, e a que a revista Sábado teve acesso, a procuradora Patrícia Barão pediu a declaração de especial complexidade do processo — que, a ser aceite, poderá traduzir-se num prolongamento do prazo da investigação em mais seis meses.

Conclusões do relatório sobre corrupção estão “desatualizadas” em relação a Portugal

O diretor nacional adjunto da PJ considerou também que as conclusões do relatório sobre corrupção do Conselho Europeu — que colocou Portugal entre os países que não cumpre as recomendações para o combate à corrupção — “pecam por poder estar desatualizadas“. Carlos Farinha defendeu que tem havido um esforço a nível institucional de “inversão da tendência relativamente ao combate à corrupção em Portugal”.

Carlos Farinha, diretor nacional adjunto da PJ, foi entrevistado na primeira emissão da Rádio Observador. JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O responsável situa este esforço no combate à corrupção, principalmente nos “últimos anos”, alertando para a “quantidade de iniciativas que tem ocorrido em termos operacionais” e “novas frentes de investigação“. Carlos Farinha não considera que esta mudança de paradigma esteja relacionado com a mudança de Procuradora-Geral da República e fala antes numa “linha de continuidade”.

Há uma consciencialização também acrescida da sociedade. Porque não se investiga sem informação. E é essencial que a informação provenha de quem a tem e que possa ser partilhada e direcionada para os sítios certos”, acrescentou.

O responsável considerou também que as leis são “suficientes” para que a corrupção seja combatida, mas aponta um problema: a falta de meios tecnológicos e também de recursos humanos. “A Polícia Judiciária não tem escondido nos últimos tempos a necessidade de meios. Há falta de meios humanos. Basta dizer que durante 10 anos praticamente ninguém ingressou na carreira de investigação criminal — o que significou não só uma diminuição de meios em termos quantitativos, mas também uma diminuição em termos qualitativos pelo aumento da média etária”, denunciou, acrescentando: “Precisamos efetivamente de recursos humanos em vários domínios: nos domínios da investigação, nos domínios das perícias, mas precisamos também que estejam motivados, formados, atualizados porque os novos desafios não param“.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)