Rádio Observador

Web Summit

Paddy Cosgrave foi ao Japão promover as startups e “unicórnios” portugueses

O CEO da Web Summit explicou ao ministro da Ciência e Tecnologia japonês porque escolheu Lisboa para os próximos 10 anos. Takuya Hirai falou sobre a estratégia japonesa para as startups.

Paddy Cosgrave esteve reunido esta semana com Takuya Hirai, à margem da reunião do G20, em Tóquio

O fundador e presidente da Web Summit, Paddy Cosgrave, esteve reunido esta semana com o ministro da Ciência e Tecnologia do Japão, Takuya Hirai, à margem da reunião do G20, em Tóquio. Falaram sobre como se cria um ecossistema de startups como o japonês, as políticas públicas para o desenvolvimento da tecnologia no país e porque é que a maior conferência de empreendedorismo e tecnologia escolheu Lisboa para os próximos 10 anos.

Foi muito interessante ouvir do ministro Harai como é que o Japão está a investir e a focar-se no setor tecnológico bem como [saber] qual é o seu plano de inovação para o país. Gostei muito de conversar sobre os unicórnios  [empresas avaliadas em mais de mil milhões de dólares] japoneses e portugueses, explicar-lhe qual é a nossa visão e experiência em Portugal, testemunhando o sucesso crescente de Portugal como um hub tecnológico”, afirmou Paddy Cosgrave, em comunicado.

Segundo o comunicado divulgado pela conferência que se vai realizar em Portugal até 2028, o ministro japonês estava “muito curioso para saber mais sobre o vibrante ecossistema de startups português.  O fundador da Web Summit acabou por falar das iniciativas portuguesas que têm estado a trabalhar de forma muito próxima com a Web Summit, como a Startup Portugal e a Startup Lisboa, bem como de empresas como a Farfetch, Unbabel, Codacy ou Uniplaces.

Outro dos temas em destaque foi a relação histórica entre os dois países e o encontro recente entre o comissário europeu com a pasta da inovação, o português Carlos Moedas, e o ministro. Takuya Hirai terá mostrado interesse em visitar o país e Paddy respondeu que “tinha a certeza que o primeiro-ministro António Costa e o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, gostariam de receber a sua visita”.

Na edição de 2018, passaram pelo Parque das Nações, onde se realiza a Web Summit, 69.304 pessoas, oriundas de 159 países. Estiveram também presentes mais de 1.800 startups e as conferências contaram com cerca de 1.200 oradores. As dúvidas sobre se a conferência continuará a ser realizada na FIL já foram levantadas e há, inclusive, alternativas a serem estudadas.

Para convencer Paddy a ficar em Lisboa até 2028, o Governo português comprometeu-se com um investimento público de 11 milhões de euros por ano (110 milhões no total): 8 milhões serão assegurados pelo Turismo de Portugal e pelo IAPMEI. Os restantes 3 milhões serão provenientes do Fundo de Desenvolvimento Turístico de Lisboa, alimentado pelas receitas geradas com a taxa turística.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos
118

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)