Rádio Observador

Ordem dos Médicos

Operação PJ é coincidência estranha e não pode manchar profissionais do SNS, segundo bastonário

"Deve ter sido uma coincidência, estranha, mas se calhar feliz para alguém", diz Miguel Guimarães sobre a divulgação da operação da Polícia Judiciária no dia em que arrancaram greves na saúde.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O bastonário dos Médicos apela a que não se lance “uma mancha” sobre os profissionais do SNS, considerando uma “coincidência estranha” a divulgação da operação da Polícia Judiciária no dia em que arrancaram greves no setor da saúde.

Nós não podemos confundir a árvore com a floresta. O nome das pessoas que todos os dias fazem na prática o Serviço Nacional de Saúde não pode ser manchado por uma pequeníssima minoria que possa eventualmente prevaricar”, afirmou Miguel Guimarães.

Contactado pela agência Lusa sobre a operação a fraudes no SNS hoje em curso, o bastonário da Ordem dos Médicos admitiu que considera “estranho” esta investigação ter sido tornada pública no dia de hoje, dia de arranque de greve de médicos e enfermeiros. “Deve ter sido uma coincidência, estranha, mas se calhar feliz para alguém”, afirmou.

Miguel Guimarães expressou a sua “total solidariedade” para com “todos os médicos e enfermeiros em greve”, destacando o “esforço em manter o SNS de pé” e também pelas “condições em que trabalham”.

“Estes profissionais de saúde todos os dias salvam vidas de pessoas. Não se pode lançar uma mancha num dia especial como este sobre os profissionais que fazem o SNS porque pode existir uma minoria de pessoas que possa ter prevaricado”, acrescentou à Lusa.

Miguel Guimarães destacou ainda a importância de o Estado ter “todos os meios e ferramentas adequadas” de combate à corrupção e à fraude, que permita investigações sérias. “O que gostava de ver nas capas dos jornais de amanhã era o elogio a todos os homens e mulheres que nos cuidam e tratam de nós todos os dias e que fazem o SNS, para os quais a tutela não tem tido atenção nem cuidado”, disse.

A Polícia Judiciária anunciou de manhã em comunicado que 11 pessoas, entre elas cinco médicos e um proprietário de uma farmácia, foram hoje detidas pela no âmbito de uma mega operação em todo o território nacional.

A PJ diz que a operação envolve buscas em consultórios médicos e estabelecimentos de saúde, buscas domiciliárias e não domiciliárias e o cumprimento de mandados de detenção relacionadas com “factos suscetíveis de enquadrar, em abstrato, os crimes de corrupção, burla qualificada, falsificação de documento e associação criminosa”.

O valor do prejuízo causado ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), segundo a PJ, está estimado em cerca de um milhão de euros.

Os médicos começaram esta terça-feira uma greve nacional de dois dias, enquanto os enfermeiros iniciaram uma paralisação que dura até ao final do dia de sexta-feira.

Cada uma das classes profissionais tem reivindicações específicas, mas tanto médicos como enfermeiros argumentam que lutam pela dignidade da profissão e por um melhor SNS.

Os médicos querem que todos os portugueses tenham médico de família, lutam pela redução das listas de utentes dos médicos e por mais tempo de consultas, querem a diminuição do serviço em urgência das 18 para as 12 horas, entre várias outras reivindicações, que passam também por reclamar que possam optar pela dedicação exclusiva ao serviço público.

Quanto aos enfermeiros, o sindicato que convocou a paralisação reclama o descongelamento das progressões de todos os enfermeiros e que sejam definidos os 35 anos de serviço e 57 de idade para o acesso à aposentação destes profissionais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)