O Presidente Donald Trump classificou na terça-feira como “um momento muito triste” a recusa do governo norte-americano em introduzir uma pergunta sobre nacionalidade no próximo recenseamento da população em 2020.

“Um momento muito triste para os Estados Unidos porque o Supremo Tribunal não permitirá a pergunta:” Esta pessoa é um cidadão dos Estados Unidos? nos censos de 2020 “, disse o presidente dos EUA no Twitter.

Donald Trump disse que tinha pedido à justiça que fizesse “tudo o que for necessário para levar esta questão fundamental (…) a uma conclusão positiva”.

Inicialmente, o presidente dos Estados Unidos pediu que a impressão dos formulários a serem utilizados para o censo – que deve ser realizado a cada 10 anos, de acordo com a Constituição – para apresentar novos argumentos ao Supremo Tribunal.

“Há uma grande diferença para mim entre ser cidadão dos Estados Unidos e ser um residente ilegal”, disse Trump aos jornalistas na segunda-feira, reafirmando que quer estabelecer a situação de cada um através do censo.

A procuradora-geral do Estado de Nova Iorque, Letitia James, que criticou a proposta do governo juntamente com outros Estados, disse: “Estamos satisfeitos que o processo do censo de 2020 esteja a começar sem a questão da nacionalidade “.

“Enquanto o governo de Trump tenta politizar o censo, “este continuará a ser uma ferramenta para obter uma contagem exata da nossa população”, acrescentou em comunicado.

O censo condiciona a concessão de 675 biliões de dólares de subsídios federais e o número de assentos destinados a cada Estado na Câmara dos Deputados, de acordo com o número de moradores.

A introdução de uma questão sobre a nacionalidade foi abandonada há mais de 60 anos, pois teria levado 1,6 e 6,5 milhões de imigrantes a abster-se de participar no questionário ou a mentir por medo, segundo especialistas.

Outros especialistas acreditam que esta questão levou à discriminação contra as minorias.