Rádio Observador

Migrantes

Migrantes ilegais detidos na fronteira com México diminuíram 28% em junho

Houve uma queda de 28% dos migrantes mexicanos ilegais detidos na fronteira dos EUA no mês de junho em relação ao mês anterior, revela o Departamento de Segurança Interna norte-americano.

Migrantes ilegais mexicanos detidos em patrulha norte-americana na fronteira

OFFICE OF INSPECTOR GENERAL HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O número de migrantes detidos nos Estados Unidos depois de cruzarem ilegalmente a fronteira com o México caiu de 28% em junho, em relação ao mês anterior, informou nesta terça-feira o Departamento de Segurança Interna norte-americano.

Pouco mais de 104 mil detenções ocorreram no mês passado, menos 40 mil do que em maio.

As autoridades norte-americanas atribuem esta diminuição devido aos “esforços conjuntos” da administração do Presidente dos EUA, Donald Trump, juntamente com El Salvador, Guatemala e Honduras, países onde são provenientes a maioria dos migrantes.

O acordo com o México, acrescentaram, teve também grande influência nesta diminuição: no início de junho, o México comprometeu-se a mobilizar 6 mil elementos da Guarda Nacional para controlar a sua fronteira com a Guatemala e a receber os que solicitam asilo nos Estados Unidos, até que os seus pedidos sejam processados pelos tribunais dos EUA.

Este acordo foi alcançado depois de ameaças de aplicação de taxas alfandegárias aos produtos mexicanos. Se as duas partes não tivessem chegado a um acordo, as tarifas entrariam em vigor, afetando todas as importações mexicanas, com taxas que poderiam alcançar os 25% até outubro.

O México comprometeu-se ainda a tomar medidas para desmantelar as organizações de contrabando e tráfico, bem como as redes ilícitas de transporte e financiamento.

Apesar destas medidas, o Departamento de Segurança Interna norte-americano apontou que a situação na fronteira permanece “crítica”, lembrando que o número de detenções em junho, comparando com o período homólogo do ano passado, é ainda superior (mais 43 mil).

“Estamos além do limite e em estado de total emergência”, sublinhou aquele departamento norte-americano.

Na segunda-feira, O Departamento de Segurança Interna dos EUA pediu ao Pentágono mais 1 mil soldados para ajudar a lidar com a crise dos migrantes na zona fronteiriça com o México, em McAllen, no estado do Texas, onde as condições de detenção dos migrantes chocaram a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet.

Reportagens divulgadas pelos média norte-americanos e relatórios de ativistas de direitos civis têm denunciado a existência de condições deploráveis nos centros de detenção de migrantes sem documentação nas fronteiras do sul dos Estados Unidos, em muitos casos envolvendo crianças que são separadas dos pais e deixadas em situação de risco.

“Como pediatra, mas também como mãe e ex-chefe de Estado, estou profundamente chocada com o facto de as crianças estarem a ser forçadas a dormir no chão, em instalações sobrelotadas, sem acesso adequado a cuidados de saúde e a alimentos, em más condições sanitárias”, disse hoje Bachelet, num comunicado.

Nesta sexta-feira está agendada uma visita do vice-presidente dos EUA, Mike Pence, a um campo de detenção de migrantes em McAlle.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)