O PAN criticou, esta segunda-feira, a interrupção do rio Sorraia em Samora Correia, uma intervenção que já matou peixes e pode ter “efeitos catastróficos” no Tejo, autorizada pela Agência Portuguesa do Ambiente a pedido de produtores de arroz.

Num requerimento apresentado na Assembleia da República, o partido Pessoas, Animais, Natureza exige ao Ministério do Ambiente que acabe “com caráter de urgência a interrupção do rio e restabeleça as condições naturais do ecossistema”.

O partido questiona ainda o Governo sobre o porquê da autorização dada pela Agência Portuguesa do Ambiente, querendo saber se se baseou numa avaliação de impacto ambiental.

Para o PAN, não se justifica “cortar o ciclo hidrológico do rio Sorraia para favorecer uma atividade económica privada”.

“A interrupção do rio Sorraia foi feita a cerca de um quilómetro e meio a montante da Ponte do Porto Alto pela Associação de Beneficiários da Lezíria Grande de Vila Franca de Xira, com o objetivo de evitar que a água salgada das marés danifique os campos agrícolas de arroz”, indica o partido.