Rádio Observador

Estados Unidos da América

Trump reafirma declarações consideradas racistas. Câmara de Representantes prepara resolução de condenação

307

O Presidente dos EUA insistiu no tema no dia em que Nancy Pelosi anunciou que está a preparar uma resolução de condenação das declarações, por terem ido "além do seu baixo nível".

Uma das congressistas em causa, Alexandria Ocasio-Cortez sublinhou, em resposta, ser do mesmo país que Donald Trump.

KAZUHIRO NOGI / POOL/EPA

A líder da Câmara de Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, anunciou esta segunda-feira que está a trabalhar numa resolução de condenação das declarações de Donald Trump sobre quatro congressistas Democratas.

Donald Trump “foi além do seu baixo nível ao usar uma linguagem vergonhosa sobre membros do Congresso”, afirmou Nancy Pelosi acrescentando que os comentários xenófobos e “repugnantes” de Trump não podem ficar sem refutação.

O Presidente Donald Trump fez comentários racistas acerca de quatro mulheres congressistas, dizendo-lhes, através de mensagens na rede social Twitter, para voltarem para os seus países, apesar de todas serem cidadãs norte-americanas e três terem nascido nos Estados Unidos.

“É tão interessante ver congressistas Democratas ‘progressistas’, que vieram originalmente de países cujos governos são uma catástrofe total e completa, o pior [que existe], os mais corruptos e inaptos do mundo (se é que têm sequer governos a funcionar), a dizer agora, em voz alta e agressivamente, ao povo dos Estados Unidos, a maior e mais poderosa nação do mundo, como é que o nosso governo deve ser administrado”, escreveu Trump no Twitter.

A líder da Câmara de Representantes pediu a eleitos dos dois partidos, Democrata e Republicano, que apoiem a resolução referindo que se os EUA “fechassem a porta para novos americanos”, a sua “liderança no mundo perdia-se de imediato”.

A resolução é promovida pelo deputado Democrata de Nova Jérsia Tom Malinowski, que nasceu na Polónia e juntou-se a outras pessoas nascidas fora dos EUA.

Entretanto, Donald Trump reafirmou os comentários xenófobos e voltou a atacar as quatro congressistas Democratas acusando-as de “amar os inimigos” dos Estados Unidos e dizendo-lhes para deixarem o país se não estavam felizes.

“Este grupo de quatro pessoas (…) reclamam constantemente”, salientou Trump na Casa Branca, em referência a Alexandria Ocasio-Cortez, de Nova Iorque, Ilhan Omar, do Minnesota, Ayanna Pressley, de Massachusetts, e Rashida Tlaib, do Michigan.

“São pessoas que odeiam o nosso país. Têm um ódio visceral”, afirmou Trump acrescentando que se as quatro congressistas democratas “não estão felizes” nos EUA “podem ir embora”.

Uma das congressistas em causa, Alexandria Ocasio-Cortez sublinhou, em resposta, ser do mesmo país que Donald Trump.

“Sr. Presidente, o país de onde eu venho e o país que todos nós juramos defender são os Estados Unidos”, escreveu numa publicação do Twitter.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)