Rádio Observador

Startups

Huub. Startup portuguesa investe 2 milhões de euros para ser “a Amazon da moda”

381

A startup portuguesa de logística para a indústria da moda quer contratar 30 pessoas e crescer para os EUA num investimento de 2 milhões de euros. "É para fundamental para o negócio", diz fundador.

Tiago Paiva, Pedro Santos, Tiago Craveiro e Luís Roque, os fundadores da HUUB

HUUB

A Huub é uma startup portuguesa com ambição: quer ser “a Amazon do mundo da moda”. Para isso, a empresa de serviços de logística para a indústria da moda vai investir dois milhões de euros para contratar até 30 novos trabalhadores e “reforçar” parcerias com a Amazon Web Services (AWS) e a Google Cloud.

Fundada em 2015 por Tiago Paiva, Pedro Santos, Tiago Craveiro e Luís Roque, e incubada na Startup Braga, a Huub desenvolveu uma plataforma integrada de logística dedicada à indústria da moda, que gere as interações entre os intervenientes da cadeia — dos fornecedores ao cliente final.

Ao Observador, Luís Roque, presidente executivo da Huub, afirma que para reforçar a equipa de 60 pessoas sabe da “competência e competividade” do mercado português, mas vai também “olhar lá para fora”. A Huub quer recrutar até 2020 posições para engenheiros de vários tipos de software, de dados e também para cargos de gestor de produto e vão investir na análise em inteligência artificial com cientistas de dados.

Luís Roque, apesar de olhar para o outro lado do Atlântico, está a fazer doutoramento na faculdade de engenharia do Porto e dá a instituição como exemplo do talento que Portugal tem para oferecer na área tecnológica. Para os cargos que querem preencher, diz que também vão olhar para pessoas que “já tenham experiência”.

Relativamente às parcerias com a AWS e Google Cloud, Luís Roque diz que, atualmente, a startup tem “uma relação privilegiada e de cooperação” com estas gigantes tecnológicas que lhe permite ter acesso facilitado à “gestão de microserviços” que contratam com estas empresas para a plataforma da Huub funcionar. “Precisamos de uma infraestrutura sólida”, diz o responsável da startup.

O mercado português, como é lógico, é um mercado pequeno. Mesmo para o que é a nossa tração inicial do ponto de vista de negócio. O suporte que os investidores americanos podem dar é importante”, refere Luís Roque.

Para já, a empresa tem “o pólo da operação” em Portugal, mas deslocaliza normalmente equipas para países como a Holanda e Espanha para ajudar clientes. No futuro, Luís Roque quer manter a base de operações em casa, mas está a olhar também para a expansão internacional, principalmente nos Estados Unidos. “O objetivo é fazer a migração da Europa e EUA, é fundamental do negócio”, explica o presidente executivo.

Em maio, a HUUB recebeu numa ronda de investimento 1,5 milhões de euros da Maersk, concluindo a fase de investimento “seed”. Ao todo, a startup portuguesa fundada em 2014, recebeu 4,35 milhões de euros. A Huub assegura a cadeia de abastecimento de marcas de moda e dá apoio aos clientes através da plataforma online que criou. Distingue-se pela agregação de serviços num ponto de contacto único e pela possibilidade de controlo sobre o processo logístico. Está presente em mais de 80 mercados.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)