Rádio Observador

PSP

Mais de uma centena de pessoas em concentração em defesa da PSP em Massamá

7.274

A iniciativa tinha como objetivo “valorizar e agradecer” a intervenção das forças de segurança devido às agressões e às muitas críticas públicas que sofrem no desempenho das suas funções.

A população presente em frente à esquadra da PSP em Massamá bateu uma prolongada salva de palmas

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Mais de uma centena de pessoas esteve esta terça-feira presente numa concentração em defesa da PSP, em frente à esquadra de Massamá, em Sintra, com os presentes a agradecerem o trabalho dos agentes e a condenarem as críticas que são alvo.

A iniciativa foi organizada pelo grupo de Moradores de Massamá na rede social Facebook, tendo em conta as agressões que os agentes são alvo e as muitas críticas públicas que sofrem no desempenho das suas funções.

“Queremos demonstrar às nossas forças policiais que estamos com eles e valorizamos o seu trabalho. Não concordamos com o crescimento do sentimento de impunidade que existe e deve ser desmotivador enfrentarem vários perigos para salvaguardar a segurança pública, com o seu trabalho a ser questionado por questões de pormenor”, disse à Lusa Maria de Sousa, administradora do grupo que organizou a iniciativa.

A moradora defendeu que a iniciativa tinha como objetivo “valorizar e agradecer” a intervenção das forças de segurança.

“Acho que a nível nacional todos o deviam fazer, deviam demonstrar a todas as forças policiais que o cidadão de bem, que cumpre os seus deveres para ter direitos, defende a PSP e a GNR e que pretende um ambiente se segurança”, salientou.

Paula Rego também faz parte do grupo e explicou que é necessário combater a “má imagem” que muitas vezes existe na sociedade em relação às autoridades. “Estava na altura de agradecer à PSP. Eles são massacrados, em especial na comunicação social, ninguém lhes agradece o seu trabalho. Queremos agradecer o seu trabalho e combater a má imagem que muitas pessoas têm”, defendeu, frisando que as forças de segurança “precisam de ser apoiadas”.

A moradora de Massamá lembrou que o encontro desta terça-feira foi marcado ainda antes dos acontecimentos do fim de semana em Queluz (concelho de Sintra), em que confrontos entre grupos rivais na estação ferroviária provocaram ferimentos de arma branca em dois homens e uma mulher, e num elemento da PSP, atingido por uma garrafa.

“Apesar de este encontro ter sido organizado antes do que aconteceu nos últimos dias em Queluz, acho que isso deu visibilidade. Mostrou o que sentimos, uma vez que as forças de segurança foram muito criticadas na sua ação e não merecem”, afirmou Paula Rego.

Rui Santos também é morador e explicou que esta ação demonstra que os cidadãos começam a perceber que “algo não está bem”. “A própria população começa a perceber que alguma coisa não está bem e que estes homens e mulheres precisam de mais autonomia para fazerem o serviço correto. Com tantas situações, muitas vezes podem sentir-se retraídos e a pensar duas vezes, o que é normal. Este é um apelo da população à PSP”, defendeu.

Maria Jacinta Correia é da mesma opinião, afirmando que é preciso apoiar as forças policiais.

“Muitas vezes não podem fazer as coisas como deviam, porque são castigados. Os bandidos ficam bem, e a PSP e a GNR é que são castigadas e isto não pode continuar. É necessário que os deixem trabalhar”, disse à Lusa.

A população presente em frente à esquadra da PSP em Massamá bateu uma prolongada salva de palmas, perante o olhar de alguns agentes que estavam no local, gritando: “Obrigado PSP”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)