Rádio Observador

NATO

Relatório revela acidentalmente armas nucleares dos EUA na Europa

Um deslize num relatório associado à NATO e divulgado em abril revelou a localização de armas nucleares norte-americanas em bases aéreas na Europa. Informação foi, entretanto, eliminada.

Base área de Volkel, na Holanda uma das referidas no relatório

REMKO DE WAAL/AFP/Getty Images)

Um relatório da NATO revelou acidentalmente a localização de armas nucleares dos Estados Unidos da América na Europa. De acordo com o diário belga DeMorgen, os diferentes locais constavam num relatório inicialmente publicado em abril — e entretanto eliminado — com o nome “Uma nova era para a dissuasão nuclear? Modernização, controlo de armas e forças nucleares aliadas” e fazia referência às cerca de 150 armas armazenadas na Europa.

“Estas bombas estão armazenadas em seis bases norte-americanas e europeias — Kleine Brogel na Bélgica, Büchel na Alemanha, Aviano e Ghedi-Torre na Itália, Volkel na Holanda e İncirlik na Turquia”, lia-se no relatório. A respetiva informação já não consta na nova versão documento da autoria do Comité de Defesa e Segurança da Assembleia Parlamentar da NATO, tornada pública a 11 de julho.

Ao jornal The Washington Post uma fonte oficial da NATO disse que o documento não era propriamente daquela organização, tendo sido publicado pela Assembleia Parlamentar da NATO. A mesma fonte acrescentou: “Não comentamos detalhes da postura nuclear da NATO”.

Apesar de os especialistas garantirem que a presença das armas nucleares é amplamente conhecida na comunidade internacional, a sua localização exata tem sido mantida em segredo. Ainda assim, o descuido fez com que a emissora alemã RTL News escrevesse “NATO revela o segredo mais mal guardado da Holanda”. Já o jornal belga DeMorgen optou pelo título: “Finalmente preto no branco: existem armas nucleares americanas na Bélgica”. O The Washington Post, por sua vez, fala naquela que parece ser a confirmação de um segredo há muito conhecido.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)