Rádio Observador

Futebol

27 minutos, uma roleta, alguns pormenores e uma pancada na anca: a estreia de João Félix pelo Atlético

151

Estádio cheio, bilhetes entre 20 e 25 euros, cinco reforços lançados por Diego Simeone, João Félix como grandes destaque: avançado fez primeiro jogo pelo Atl. Madrid, brilhou mas saiu lesionado.

João Félix começou mais a cair na ala esquerda, com Diego Costa (na foto) e Morata na frente do ataque

Getty Images

Nova era no Atl. Madrid, nova equipa a ser testada. Diego Simeone sempre foi um treinador com mais tendência para posturas cautelosas do que propriamente para revoluções mas o mercado apontou um novo caminho no projeto futebolístico da equipa, que perdeu algumas das suas maiores referências entre grandes investimentos em todos os setores (menos na baliza, onde Oblak está de pedra e cal). Contas feitas, e no primeiro encontro particular à porta aberta frente ao Numancia com casa cheia apesar dos bilhetes entre os 20 e os 25 euros, o argentino lançou de início cinco reforços. Com um destaque: João Félix.

Dos adeptos à própria imprensa, que foi acompanhando o encontro em liveblogs que colocavam sempre a imagem do português como destaque, a quarta maior transferência do futebol mundial acabou por ter todos os holofotes concentrados em si na partida que se realizou ao final da tarde deste sábado em El Burgo de Osma, a cerca de 170 quilómetros da capital espanhola, quase que ofuscando outras estreias como Trippier, Hermoso, Lodi e Marcos Llorente. Tudo andaria à volta de João Félix até pela posição que iria ocupar, mais descaído na esquerda com a dupla Morata-Diego Costa na frente de ataque. E bastaram apenas quatro minutos para o primeiro apontamento que arrancou muitos aplausos entre os adeptos colchoneros.

Depois de receber a bola na área, o avançado fez uma roleta onde acabou por perder a bola no seguimento do lance mas que ficou como primeiro destaque. Pouco depois, Félix arriscou o primeiro remate mas saiu fraco. Antes, tinha havido uma combinação de calcanhar com Morata, num movimento ofensivo trabalhado pela equipa da capital espanhola; mais tarde, conseguiria isolar com passe por cima da defesa Diego Costa, que caiu e ficou a pedir penálti. Alternando de quando em vez de flanco com Lemar, e pisando de quando em vez terrenos mais centrais com a subida do lateral nas costas, o português foi deixando alguns pormenores prometedores ao longo de um jogo onde o Atl. Madrid esteve por cima até aos 25 minutos, altura em que sofreu uma entrada mais forte por trás na zona da anca e pediu mesmo para ser substituído, dois minutos depois.

“A estreia de João Félix no Atl. Madrid com o Numancia foi agridoce devido a uma contusão. Aos 27 minutos pediu substituição por uma pancada nas costas que tinha sofrido dez minutos antes mas não conseguiu aguentar mais. O português foi um dos jogadores mais ativos do jogo nos poucos minutos em que esteve em campo. Ninguém quer correr nenhum risco com ele e muito menos num jogo da pré-temporada. A sua melhor ação foi uma assistência para Diego Costa que acabou com o avançado a pedir penálti. Procurou defender bem e fazer o que Simeone lhe pediu”, analisou o jornal As.

No segundo tempo, Vitolo conseguiu finalmente inaugurar o marcador para o Atl. Madrid (69′) e abriu espaço para uma vitória mais folgada dos colchoneros frente ao Numancia, que teve ainda golos do ex-avançado do Benfica Saponjic (77′) e do antigo central do FC Porto Felipe (83′). No entanto, foi da lesão de João Félix, que saiu mais por precaução, que tudo se centrou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)