Rádio Observador

Transportes Públicos

Crianças do Porto até aos 12 anos podem pedir Andante gratuito nas escolas ou municípios

As crianças até aos 12 anos que não possuem Andante vão poder solicitar a sua emissão gratuita a partir do final de agosto nas escolas ou municípios da Área Metropolitana do Porto.

A partir de 15 de outubro este título poderá ser solicitado diretamente nos pontos de venda Andante

Rui Oliveira / Global Imagens

Autor
  • Agência Lusa

As crianças até aos 12 anos que ainda não possuam um passe Andante vão poder solicitar a emissão daquele título de transporte gratuito a partir do final de agosto nas escolas ou municípios da Área Metropolitana do Porto.

Em resposta à Lusa, a Área Metropolitana do Porto (AMP) esclareceu esta terça-feira que as crianças que já possuem cartão Andante válido “poderão dirigir-se, a partir do final de agosto, aos pontos de venda Andante para alteração para o perfil sub-13”.

Para tal, explica a AMP, devem munir-se de uma declaração do seu estabelecimento de ensino a atestar que não beneficia de transporte escolar gratuito.

Para os que ainda não possuem cartão Andante, a atribuição dos passes será realizada, numa primeira fase, em ‘back office’, “através da solicitação da emissão do cartão Andante nos estabelecimentos de ensino/municípios”, de modo a “evitar o congestionamento do atendimento nos pontos de venda Andante”.

A partir de 15 de outubro, acrescenta a AMP, este título poderá ser solicitado diretamente nos pontos de venda Andante, devendo, para o efeito, os alunos levar uma declaração do seu estabelecimento de ensino a atestar que não beneficia de transporte escolar gratuito.

O título, que entra em vigor a partir de 1 de setembro, é uma das medidas previstas no âmbito do Programa de Redução Tarifária, que inclui ainda a implementação do passe família, ainda sem data para entrar em vigor na AMP.

O passe família pode ser adquirido na Área Metropolitana de Lisboa desde o dia 22 de julho, contudo, o mesmo não acontece na AMP, devido a “constrangimentos técnicos” que não permitem acautelar situações de “fraude”, reiterou na sexta-feira o vice-presidente da AMP, Emídio Sousa, em declarações aos jornalistas.

Ainda não há condições, nem previsibilidade. Temos de dar passos prudentes, porque o impacto financeiro desta medida ainda não está devidamente avaliado, nem as condições e, portanto, ainda não temos nenhum avanço significativo nessa matéria”, disse.

Naquela semana, o Expresso, citando fonte ligada ao Metro do Porto, noticiava, no entanto, que título não estava a ser equacionado por motivos financeiros.

Com o “passe família”, todos os elementos de um agregado familiar que vivam na mesma casa tem acesso ao passe único por um preço fixo de 80 euros, correspondente ao valor de dois títulos mensais.

Os utentes das áreas metropolitanas do Porto e de Lisboa começaram em 1 de abril a sentir alívio nos preços dos transportes públicos, no âmbito do Programa de Redução Tarifária, uma medida que visa reduzir o uso do transporte individual.

No caso do Porto, foi criado um passe municipal de 30 euros, para viagens dentro do concelho ou até 3 zonas contíguas, e um metropolitano de 40 euros, que permite viajar em todos os 17 concelhos da AMP, deste que integrados no sistema intermodal Andante.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Segurança Social

A dívida implícita de Portugal

José Marques

Nos últimos 40 anos, período no qual se deu a maioria da acumulação desta dívida implícita, houve uma acumulação média, silenciosa, de dívida equivalente a mais de 10% do PIB por ano.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)