Rádio Observador

Combustível

Governo declara Situação de Alerta” face a “crise energética”. Leia aqui tudo o que muda

205

Entre as medidas que resultam da declaração estão a elevação do grau de prontidão de equipas de segurança, socorro, assistência e resolução de problemas de energia e comunicações.

O ministério da Administração Interna, tutelado por Eduardo Cabrita, emitiu por despacho a declaração de Situação de Alerta

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O Ministério da Administração Interna emitiu em despacho esta sexta-feira uma declaração de estado de “Situação de Alerta” no país, para o período de 9 de agosto (com início às 23h59) até 21 de agosto. A situação de alerta foi decretada para “todo o território de Portugal continental”, depois de o município de Setúbal (governado pela CDU) ter-se adiantado por um par de horas decretando o mesmo estado no município um pouco antes.

A Situação de Alerta no país foi declarada na sequência da crise energética, que resulta do anúncio de uma greve de motoristas de matérias perigosas. A ameaça originou uma corrida aos postos de abastecimento. Levou também o Governo a sugerir aos cidadãos que se “precavessem” e a anunciar que vai decretar serviços mínimos mais abrangentes do que o habitual em situações de paralisação, caso esta greve avance.

De acordo com um comunicado enviado à comunicação social pelo MAI, o estado de alerta no país “determina a implementação” de medidas como a ativação do Centro de Coordenação Operacional Nacional da ANEPC – Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e a realização de uma reunião da Comissão Nacional de Proteção Civil (CNPC) presidida pelo ministro da Administração Interna — agendada para este sábado, às 17h, na sede da ANEPC em Carnaxide.

Foi ainda elevado o “grau de prontidão” de equipas que estarão a postos para responder a eventuais problemas resultantes da situação já declarada de emergência energética. Entre as unidades reforçadas estão a dos “agentes de proteção civil para operações de proteção e socorro e de assistência”, a de “forças de segurança” (encarregues de garantir o bom resultado de “operações de patrulhamento e escolta que permitam garantir a concretização das operações de abastecimento de combustíveis”, por exemplo) e a de “entidades com especial dever de cooperação nas áreas das comunicações e de energia”.

Face à situação de alerta decretada, a Proteção Civil poderá agora convocar, caso entenda ser necessário e mediante o cenário que se vier a verificar, “as entidades do terceiro terceiro setor para operações de assistência”, os trabalhadores “do setor público e privado que estejam habilitados com carta de condução de veículos pesados com averbamento de todas as classes de ADR, bem como os agentes de proteção civil habilitados à condução de veículos pesados” e “representantes das empresas e os trabalhadores dos setores público e privado que estejam habilitados a apoiar as operações de abastecimento de combustíveis necessárias“.

Face à Declaração de Alerta emitida, “os cidadãos e as demais entidades” terão “o dever e obrigação de colaboração, nomeadamente no cumprimento de ordens e instruções dos órgãos e agentes responsáveis pela segurança interna e pela proteção civil e na pronta satisfação de solicitações que justificadamente lhes sejam feitas pelas entidades competentes”, alerta o Governo. “A desobediência e a resistência às ordens legítimas das entidades competentes, bem como a recusa do cumprimento da obrigação, são, nos termos do n.º 4 do artigo 6.º da Lei de Bases de Proteção Civil, sancionadas nos termos da lei penal e as respetivas penas agravadas em um terço, nos seus limites mínimo e máximo”.

Às operadoras móveis de telecomunicações e aos órgão de comunicação social, “em particular as rádios e televisões”, fica imposta uma “obrigação especial de colaboração na divulgação à população das informações relevantes sobre a situação, em articulação com as estruturas de coordenação, nos termos do nº. 4 do art.º 14º da Lei de Bases da Proteção Civil”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário

João Pires da Cruz
572

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)