Rádio Observador

País

Fotojornalista e criança dão origem a novo instrumento musical, a “beiroinha”

A curiosidade de um fotojornalista e uma criança de 3 anos estão na origem de um novo instrumento musical da Beira Baixa, o cavaquinho da Beira ou "beiroinha".

LUSA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A curiosidade de um fotojornalista e uma criança de 3 anos estão na origem de um novo instrumento musical da Beira Baixa, o cavaquinho da Beira ou “beiroinha”, que já obteve o registo de marca nacional.

Em outubro de 2016, a Câmara de Idanha-a-Nova e a Filarmónica Idanhense lançaram um curso de construção de viola beiroa, que se iniciou no dia 01 de outubro, Dia Mundial da Música, sendo que o objetivo passava por aprender a construir uma viola beiroa e contribuir para a revitalização da história musical daquele concelho, onde este instrumento musical já teve dias melhores.

A curiosidade levou o fotojornalista António José a inscrever-se no curso, que durou seis meses, e que foi frequentado por 12 formandos.

“Eu não percebia nada nem de viola beiroa nem sequer sabia da sua existência ou tão pouco tinha pegado numa. Fui para lá [Idanha-a-Nova] por curiosidade. A área de trabalhos manuais sempre me fascinou”, confessa António José.

Quando o curso iniciou e os formandos começaram a dar os primeiros passos, fazendo os moldes de base para a construção da viola beiroa, uma criança de 3 anos, filho do responsável da Filarmónica Idanhense, pegou num dos moldes do instrumento musical e andava pela oficina a brincar, “fazendo de conta” que estava a tocar o instrumento.

António José achou piada ao miúdo e decidiu fazer uma miniatura da viola beiroa e oferecê-la à criança, sem pensar, sequer, que estava prestes a dar vida a um novo instrumento musical.

“Depois de construída, outro formando pediu-me para fazer mais uma miniatura para oferecer ao seu neto. Quando fiz a segunda, comecei a pensar em fazer uma coisa a sério. A partir daí, fiz vários modelos, cada vez maiores e quando cheguei ao 12º protótipo, verifiquei que o som era excelente”, conta.

A partir daqui, aquilo que começou por ser uma brincadeira, tornou-se numa questão séria. O curso da viola beiroa terminou e António José montou uma oficina na sua residência, em São Vicente da Beira, no concelho de Castelo Branco.

Começou então a construir as “beiroinhas” e a fazer a divulgação deste instrumento musical que tem quatro ordens de cordas, todas em aço, e que é feito com diversos tipos de madeira, desde o abeto alemão, a nogueira, cerejeira, tília e ébano.

“Toda a gente que tem experimentado este instrumento realça a qualidade do seu som, que é mais harmonioso e envolvente do que o som do cavaquinho tradicional. Trata-se de um instrumento para o povo, com uma construção rústica e vocacionado para o utilizador comum”, explica.

Em janeiro deste ano, António José decidiu avançar com o registo deste novo instrumento musical no Instituto Nacional de Propriedade Industrial, sendo que o despacho favorável deste organismo chegou no início de junho, data a partir da qual o cavaquinho da Beira ou “beiroinha” passou a ser considerado marca nacional e desenho/modelo nacional.

Neste momento, já existem 53 “beiroinhas” espalhadas pelo país, desde a região norte até ao Alentejo e o Grupo de Cavaquinhos de Penha Garcia, em Idanha-a-Nova, está equipado com este novo instrumento.

“O ideal seria que os grupos de cavaquinho existentes na região adotassem este instrumento que é genuinamente beirão. Como se trata de um produto artesanal é mais caro do que o cavaquinho”, afirma o fotojornalista.

António José explica que a construção da “beiroinha” tem como referência o modelo que está exposto no Museu Nacional de Etnologia e que pertenceu a Manuel Moreira, natural de Penha Garcia e considerado o último tocador de viola beiroa.

“Demoro em média quatro dias a fazer uma beiroinha. A decoração varia entre o bordado original da viola beiroa do Manuel Moreira, o bordado de Castelo Branco, a rosa albardeira, uma flor originária da freguesia de Toulões (Idanha-a-Nova) ou a margarida (da Aldeia de Santa Margarida em Idanha-a-Nova). Há também outras decorações a pedido do próprio proprietário”, disse.

O fotojornalista criou também várias ferramentas de apoio para a manufaturação da “beiroinha”.

A Câmara de Idanha-a-Nova já manifestou o desejo de apoiar e de desenvolver este projeto, sendo que a ideia passa pela criação de um centro de interpretação/oficina da viola beiroa e da “beiroinha”.

“Houve um especial carinho deste município, que é Cidade Criativa da Música pela UNESCO, para o meu projeto”, conclui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

SNS: Os Humanos

Fernando Leal da Costa

O Ministério não valoriza os seus melhores. Paradoxalmente, demoniza o recurso a todo o sistema, afunila a procura para um SNS saturado e, ao mesmo tempo, não valoriza os recursos humanos que tem.

História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
193

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Universidade de Coimbra

Fraca carne

Henrique Pereira dos Santos
4.202

Substituir carne por peixe (ou por vegetais), sem saber de que sistemas de produção (e de que ciência) estamos a falar é completamente vazio do ponto de vista da sustentabilidade ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)