Rádio Observador

Celebridades

Millie Bobby Brown vai lançar uma marca de maquilhagem vegan

142

Aos 15 anos, a protagonista de "Stranger Things" anuncia o lançamento de uma marca de maquilhagem. Parte das vendas irá reverter para apoiar crianças com cancro.

Millie Bobby Brown tornou-se uma celebridade em Hollywood com a estreia da série "Stranger Things", em 2016. Tinha 12 anos

FilmMagic,

Ao que parece, o estrelato não é o único aspeto precoce da vida de Millie Bobby Brown. Aos 15 anos, a atriz lança-se como empresária e anuncia a chegada de uma marca de maquilhagem. “Desde os 10, 11 anos que me sento em cadeiras de maquilhagem e que me são apresentados todos os tipos de produtos. Já tive efeitos especiais na cara, sangue, diferentes tipos de base… Quis entrar no ramo [da maquilhagem e dos cuidados de rosto] porque existe uma falha no mercado dos mais jovens”, afirmou Bobby Brown à WWD.

A Eleven de “Stranger Things”, série da Netflix que já vai na terceira temporada, não avançou nenhuma data para o lançamento, mas revelou que a escolha do nome — Florence by Mills — é uma homenagem à bisavó, matriarca da família Brown. A jovem atriz disse ainda que a marca terá os selos vegan e cruelty-free, ou seja, nenhum dos produtos ou componentes é testado em animais. Ao mesmo tempo, fica a promessa de que parte das receitas irão reverter para a Olivia Hope Foundation, instituição norte-americana que apoia crianças com cancro.

A tenra idade de Millie, bem como a sua experiência e necessidades pessoais, parecem ter sido o ponto de partida para o desenvolvimento dos produtos. O público alvo será a geração z, ou seja, o mercado pós-millennial. O primeiro lançamento incluirá cremes hidratantes com cobertura para o rosto e almofadas de gel para os olhos, entre outros itens que estarão à venda online, mas também nas cadeias Ultra Beauty e Boots. Os preços vão oscilar entre os 10 e os 34 dólares (entre 9 e 30 euros).

A jovem atriz já partilhou um vídeo com declarações sobre o novo projeto na sua conta de Instagram, que também ganhou um perfil próprio (na mesma rede social) nas últimas 24 horas. O certo é que o nome Bobbi Brown já tem o seu peso no mundo da cosmética. Millie partilha-o com a reputada maquilhadora norte-americana que, em 1991, fundou uma marca homónima, atualmente na posse da Estée Lauder Companies Inc.

Depois de se ter tornado um dos ícones de estilo mais jovens de Hollywood, Millie estreia-se na pele de empreendedora, seguindo os passos de muitas outras celebridades do cinema e da música. Kylie Jenner pode ser a mais bem sucedida financeiramente, mas Rihanna tem conquistado o mercado com o seu apelo à diversidade através da maquilhagem. Lady Gaga foi a última a chegar. Os casos são já suficientes para falar em tendência. Logo, a questão que se impõe é: quem será a próxima?

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)