As pessoas mais otimistas parecem ter uma maior probabilidade de viver além dos 85 anos, indica um estudo publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences. De acordo com o relatório, os resultados “sugerem que o otimismo está especificamente relacionado com um tempo de vida 11% a 15% mais longo, em média” e “maiores probabilidades de alcançar a longevidade excecional. Isto é, viver até os 85 anos ou mais.”

Estes resultados foram obtidos depois de analisar outros dois projetos. Num deles, os investigadores acompanharam um grupo com quase 122 mil enfermeiras durante 10 anos e recolheram centenas de dados relacionados com a saúde delas. Noutro, e durante o mesmo intervalo de tempo, os cientistas analisaram a relação entre a idade e vários problemas de saúde em 2.300 homens, quase todos veteranos da II Guerra Mundial ou da Guerra na Coreia.

Para estudar o efeito do otimismo na esperança de vida, os autores do novo estudo procuraram esse mesmo grupo de enfermeiras em 2004 e acompanharam-nas até 2014. De acordo com o The Guardian, as mulheres foram divididas em quatro grupos conforme as avaliações que os cientistas fizeram delas. A seguir, os investigadores analisaram a longevidade das mais otimistas com a das menos otimistas — sempre tendo em conta a idade delas, o sexo, a raça, o nível de educação, a tendência para a depressão e outros problemas de saúde.

Quanto ao grupo de homens, esse já tinha sido avaliado entre 1986 e 2016 para o otimismo que expressam.

Os resultados dessas comparações foram semelhantes para os homens e para as mulheres. Entre as enfermeiras, o estudo descobriu que as mulheres mais otimistas pareciam ter uma longevidade 15% maior do que as menos otimistas. Essa percentagem é ligeiramente inferior para os homens, sugere o estudo. Entre os veteranos de guerra sondados para este trabalho, os mais otimistas tinham uma longevidade 11% maior do que os menos otimistas.

Mais: os homens e as mulheres mais otimistas identificados para este estudo tinham uma maior tendência para chegar aos 85 anos e viver para além dessa idade.

Os motivos? Para os autores do estudo, quem é mais otimista também costuma ter um estilo de vida mais saudável, com tendência para praticar mais desporto, comer melhor e evitar o tabaco e o álcool. No entanto, são precisas mais investigações para chegar a conclusões definitivas, alertam os cientistas envolvidas nestas descobertas. É que, embora os analistas tenham trabalhado com ambos os sexos, quase todos eram caucasianos e poucos tinham uma baixa qualidade de vida. E isso também pode ter influência nos resultados.