Rádio Observador

Teatro São Carlos

Soprano Elisabete Matos assume direção artística do Teatro Nacional de São Carlos

2.397

A soprano vai suceder a Patrick Dickie, que apresentou a demissão no final de junho por "razões pessoais". Elisabete Matos vai assumir cargo de diretora artística a 1 de outubro.

Com uma carreira internacional de mais de 25 anos, Elisabete Matos passou por alguns dos mais importantes palcos do mundo

Gerardo Santos / Global Imagens

Elisabete Matos irá assumir direção artística do Teatro Nacional de São Carlos (TNSC), em Lisboa, anunciou esta segunda-feira o Ministério da Cultura. A soprano irá suceder, a partir de 1 de outubro, a Patrick Dickie, que apresentou a sua demissão no final de junho.

Em comunicado, o Ministério tutelado por Graça Fonseca recordou a carreira internacional de mais de 25 anos de Elisabete Matos, que “atuou nos mais importantes palcos mundiais”, “com um vasto repertório e com as melhores orquestras”. Professor Adjunta Convidada na Escola Superior de Artes Aplicadas desde 2014, a soprano é diretora artística do Festival Internacional de Música Religiosa de Guimarães desde 2017.

Além dos prémios nacionais e internacionais, a soprano recebeu as condecorações de Oficial da Ordem do Infante D. Henrique e de Grã-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, concedidas pela Presidência da República, foi galardoada com a Medalha de Ouro de Mérito Artístico da Cidade de Guimarães pela Câmara Municipal de Guimarães e distinguida com a Medalha de Mérito Cultural concedida pela Secretaria de Estado da Cultura em 2015.

O Ministério da Cultura agradeceu ainda, na mesma nota, a Patrick Dickie “o empenho e profissionalismo com que desempenhou as suas funções”. O ex-consultor da English National Opera, que assumiu funções no TNSC em 2015, demitiu-se no final do mês de junho. Na altura, Dickie explicou que não tinha “condições para equacionar a continuidade naquelas funções” por “razões pessoais”. O seu mandato no teatro lisboeta terminava a 31 de agosto.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)