Rádio Observador

Arte

Museu Nacional de Arte Antiga vai exibir obra-prima inédita de Josefa de Óbidos

Uma obra-prima inédita da pintora Josefa de Óbidos de 1667, vendida em junho num leilão, na Alemanha, vai ser exibida a partir de sexta-feira no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa.

A obra em causa é "A Leitura da Sina do Menino Jesus"

LUSA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Uma obra-prima inédita da pintora Josefa de Óbidos datada de 1667, vendida em junho num leilão, na Alemanha, vai ser exibida a partir de sexta-feira no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, foi esta terça-feira anunciado.

Intitulada “A Leitura da Sina do Menino Jesus”, a pintura criada por Josefa de Ayalla, conhecida por Josefa de Óbidos, é considerada “uma obra-prima pela qualidade e iconografia rara” pelos especialistas.

“É uma peça extraordinária, com um tema muito raro”, avaliou Joaquim Caetano, diretor do MNAA, contactado pela agência Lusa, sobre a vinda da pequena pintura.

O especialista em História da Arte revelou que a peça, depois de ter sido adquirida, em junho, num leilão, na Alemanha, pelo colecionador e galerista argentino Jaime Eguiguren, foi cedida para ficar um mês no museu português, em Lisboa.

“Fomos contactados pelo colecionador, dizendo que tinha a peça, e que queria obter uma opinião do museu. Na altura, na troca de ‘e-mails’, eu disse que gostávamos mesmo de a expor no MNAA”, recordou à Lusa o diretor do museu, mostrando-se surpreendido por Jaime Eguiguren ter aceitado de imediato a cedência para Lisboa.

A vinda a Portugal da pintura devocional de pequenas dimensões – totalmente desconhecida dos especialistas – surge num contexto particular, que tem a ver com a estada da peça na Alemanha, de onde só partiria para os Estados Unidos dentro de um mês.

“Nestas circunstâncias, o colecionador acedeu a que a obra ficasse em Lisboa para exibição durante um mês”, e Joaquim Caetano já organizou duas sessões para falar sobre a pintura, uma na sexta-feira, às 18:00, data da inauguração, e outra no dia 03 de outubro, à mesma hora.

A obra foi vendida em junho por 220 mil euros num leilão em Bona, na Alemanha, e, na altura, o Estado português, através da Direção-Geral do Património Cultural, tentou comprá-la para o MNAA, mas sem êxito, porque o valor ultrapassou a disponibilidade financeira para o quadro.

A pintura, vendida através da leiloeira Plückbaum, com uma base de licitação de 25 mil euros, tem uma dimensão de 23 por 29 centímetros, e foi feita sobre placa de cobre, mostrando a Virgem Maria com o Menino Jesus ao colo a ser saudado por outras mulheres com crianças, enquanto uma cigana lhe pega na mão para ler a sina.

A cena decorre durante a estada da família de Jesus no Egito, e a associação entre este país e o povo cigano foi usual na época, em coletâneas de gravuras e nas pinturas em Portugal e em Espanha

Joaquim Oliveira Caetano disse à Lusa que a peça foi muito disputada no leilão, onde se encontravam colecionadores portugueses e estrangeiros, bem como museus interessados, que chegaram a licitar, mas viria a ser comprada por Jaime Eguiguren, que possui várias galerias de arte, nomeadamente na Europa e nos Estados Unidos.

A pintura terá sido comprada já fora de Portugal, nos anos de 1980, mas só foi conhecida quando surgiu no leilão, na Alemanha, recordou o historiador de arte, que foi conservador da coleção de pintura do MNAA e um dos comissários da mais recente mostra do MNAA dedicada à artista, “Josefa de Óbidos e a Invenção do Barroco Português” (2015).

Para o historiador de arte, é muito possível que venham a surgir, no mercado, outras obras desconhecidas de Josefa, “sobretudo porque, atualmente, com as questões de género em foco, o facto de se tratar de uma mulher artista de grande talento, do período barroco, a sua obra será mais valorizada”.

Josefa de Óbidos nasceu em Sevilha, em 1630, e morreu em Óbidos, em 1684. Aprendeu o ofício com o pai, Baltazar Gomes Figueira, com quem trabalhou na sua oficina, e recebeu educação religiosa no Convento de Santa Ana, em Coimbra, entre 1644 e 1646, passando a residir em Óbidos a partir desse ano.

A pintora está representada no Museu do Louvre, em Paris, com o quadro “Maria Madalena”, também conhecido por “A Penitente Madalena Consolada Por Anjos”, comprada num leilão em Nova Iorque pelo galerista de arte lusodescendente Philippe Mendes, por 236 mil euros, e doada ao museu, onde fora curador.

Também o Museu da Misericórdia do Porto tem um quadro de Josefa de Óbidos, “A Sagrada Família com São João Batista, Santa Isabel e Anjos”, igualmente adquirido num leilão em Nova Iorque, por 228 mil euros.

Dos quadros chave na obra da pintora, destacam-se ainda “Maria Madalena” e “Lactação de S. Bernardo”, na coleção do Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, “Cordeiro Místico”, no Paço dos Duques de Bragança, em Guimarães, e “Cordeiro Pascal”, no Museu Nacional Frei Bartolomeu do Cenáculo, em Évora, que detém igualmente algumas naturezas mortas da pintora, assim como as peças “Transverberação de Santa Teresa” e “Sagrada Família” e “Calvário”.

O Museu de Arte Walters, de Baltimore, nos Estados Unidos, tem no seu acervo e em exposição permanente o “Cordeiro Sacrificial”, pintura adquirida em Roma, no início do século XX, pelo fundador da instituição, Henry Walters.

No Museu Nacional de Arte Antiga encontra-se o maior acervo de obras de Josefa de Óbidos, 15 no total, que foram integradas na exposição dedicada à pintora, há quatro anos, “Josefa de Óbidos e a Invenção do Barroco Português”, da qual Joaquim Caetano foi um dos comissários.

Em 1991, a Galeria D. Luís, no Palácio Nacional da Ajuda, acolhera a mostra “Josefa de Óbidos e o Tempo Barroco” e, em 1997, o National Museum of Women in the Arts, em Washington D.C., nos Estados Unidos, dedicou à artista a exposição “Sagrado e Profano: Josefa de Óbidos de Portugal”.

A primeira exposição conhecida com obras de Josefa de Óbidos remonta ao final da década de 1940, no MNAA, com a reunião de pinturas do seu acervo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)