Rádio Observador

Cinema

Quatro filmes para ver esta semana

A conclusão do filme de terror "It", um "thriller" militar francês, uma animação passada na Cabul dos talibãs e "Dor e Glória", de Pedro Almodóvar, são as escolhas de Eurico de Barros esta semana

Bill Skarsgard no papel do monstruoso Pennywise em "It: Capítulo 2", baseado no livro de Stephen King

Autor
  • Eurico de Barros

“It: Capítulo 2”

Quase 30 anos depois dos acontecimentos do primeiro filme, os membros do Clube dos Falhados têm que voltar a Derry para um último e decisivo combate com a criatura maligna e assassina que se apresenta com o aspeto de um palhaço chamado Pennywise. De novo realizado por Andy Muschietti, “It: Capítulo 2” sofre pelo facto de parte das personagens principais, agora adultas, serem interpretadas por actores pouco conhecidos e nem todos competentes, e por insistir em injetar um humor nervoso e deslocado em momentos-chave da ação. Se a primeira parte vivia bastante do elemento humano, através da caracterização dos vários miúdos, da sua interação e da forma como superavam problemas pessoais e insuficiências e medos individuais para enfrentarem o monstro, e não apenas dos momentos de terror, já sucede o contrário em “It: Capítulo 2”. As sequências de horror, com ou sem Pennywise, são em maior quantidade, mais elaboradas e mais invasivas, acabando por dominar o filme, que ao fim de quase três horas acaba por se repetir. Stephen King e Peter Bogdanovich têm duas pequenas participações.

“Ameaça em Alto Mar”

Uma curiosidade vinda de França e realizada por Antonin Aubry, o argumentista da banda desenhada “Quay d’Orsay” e antigo funcionário do Ministério dos Negócios Estrangeiros francês. Este “thriller” de ação militar que recorda os enredos de Tom Clancy, passa-se no ambiente dos submarinos nucleares franceses, tem como protagonista um especialista da Marinha em guerra acústica cuja missão é distinguir entre os ruídos feitos por navios de guerra e submarinos, e outros (animais marinhos ou barcos de recreio), e põe em cena um aparente ataque nuclear russo a solo europeu, seguido de um duelo às cegas entre submersíveis. A tensão e o “suspense” quase em tempo real compensam algumas incongruências do argumento, mas eram escusadas as tripulações etnicamente corretas, um detalhe forçado e que prejudica a verosimilhança de “Ameaça em Alto Mar”.

“A Ganha-Pão”

Saída dos estúdios de animação irlandeses que já nos deram filmes tão bons e originais como “The Secret of Kells” e “A Canção do Mar”, “A Ganha-Pão”, de Nora Twomey, passa-se na Cabul sob domínio talibã, no início deste século. Quando o pai, um antigo professor e mutilado de guerra, é preso de forma arbitrária, a pequena Parvana, de 11 anos, disfarça-se de rapaz e vai prover pela mãe, pela irmã mais velha e pelo irmão pequenino, correndo o risco de ser presa e até mesmo executada pelos brutais talibãs. “A Ganha-Pão” é uma história de coragem e de sacrifício perante um poder fanático e violento, e a realizadora enriquece visualmente o filme com a narrativa fantástica e alegórica paralela à intriga principal que Parvana conta ao irmãozinho, inspirada na estética da arte daquela região. Angelina Jolie é uma das produtoras.

“Dor e Glória”

Salvador Mallo é um célebre realizador à beira de fazer 70 anos, “alter ego” de Pedro Almodóvar interpretado por Antonio Banderas neste filme semi-autobiográfico, em que o autor de “Tudo Sobre a Minha Mãe” se inspira muito na sua intimidade e no seu trabalho. Crivado de maleitas do corpo e de achaques da alma, Salvador vive confortavelmente mas sozinho e semi-recluso no seu belíssimo apartamento de Madrid (muitos dos quadros, livros e outros objetos são do próprio Almodóvar), tem uma empregada dedicada e uma fiel assistente que zelam por ele, mas julga ter deixado para trás os seus dias de glória. Não consegue nem pensar em escrever um argumento ou enfrentar a rodagem de um filme. Penélope Cruz interpreta a mãe de Salvador nas sequências de “flashback” para a infância. “Dor e Glória” foi escolhido pelo Observador como filme da semana, e pode ler a crítica aqui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)